terça-feira, 16 de dezembro de 2008

sábado, 13 de dezembro de 2008

Pensamentos Divergentes (nº9) - Agulha e Linha

Texto escrito Quinta-Feira e que tenho carregado no bolso de trás das calças desde então.

Passam uma pela outra, entrelaçando-se em vida e arte. E embora se trespassem, tocam apenas nas superfícies, beijando-se em dores construtivas para outro alguém.

This poem is for you to play the trust game with

.
Não tenho parado de ver este vídeo.



Não tenho parado de pensar na inveja que tenho do talento dos outros.

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Pensamentos Divergentes (nº8)

Depois de um dia bem cansativo

"Andamos nesta vida a arrendar espaço desarrumado no coração para que os inquilinos abandonem as premissas, deixando toda a tralha inútil para trás".

domingo, 7 de dezembro de 2008

Title Track - aniversário de nós

Há músicas que se conciliam perfeitamente com fases da nossa vida, tanto pela altura em que as ouvimos e o que elas nos fazem recordar, quer pelo conteúdo da sua letra que às vezes parece que poderia ter sido escrita por nós, só que com talento..

Como por exemplo a história do rapaz que há anos atrás fugiu de uma cidade para outra, para encontrar lá uma rapariga de olhos azuis. Os dois escapavam dos outros sob o pretêxto de um cigarro.


Title Track - Death Cab For Cutie


Left uninspired by the crust of railroad earth
That touched the lead to the pages of your manuscript
I took my thumb off the concrete and saved up all my strength
To hammer pillars for a picket fence

It wasn't quite what is seemed: a lack of pleasantries
(My able body isn't what it used to be)
I must admit I was charmed by your advances
Your advantage left me helplessly into you

Talking how the group had begun to splinter
And I could taste your lipstick on the filter

I tried my best to keep my distance from your dress
But call-response overturns convictions every time
My memory cannot recall: a wave of alcohol
We shared a cigarette and shaved the hours off

Talking how the group had begun to splinter
And I could taste your lipstick on the filter
Lushing with the hallway congregation
My best judgment signed its resignation

I rushed this, we moved too fast
And tripped into the guest room
I rushed this, we moved too fast
And tripped into the guest room

sábado, 6 de dezembro de 2008

Conversa Conjugal (nº7)

Por telefone

Eu - Estás bem comigo?
Ela - Estou. Mas fico melhor quando estiver contigo.

O primeiro ícone sexual

Em 1988 saiu para os cinemas o filme algo controverso "Quem tramou Roger Rabbit?", revelando-se um êxito cinematográfico e um momento inesquecível para muitas crianças. Este foi para muitos de nós o primeiro filme não completamente animado que conseguimos ver até ao fim e do qual conseguimos gostar. É, alias, um filme que ainda hoje em dia revejo com muito gosto.
.
Os diálogos eram inteligentes e engraçados. As personagens novas tinham personalidades bem-definidas e apelativas, e existia um enorme conjunto de personagens familiares já adoradas que, sem monopolizar o filme, se mantiam fiéis ao que já conhecíamos delas. O filme estava de facto muito bem escrito e realizado. Tinha alguns momentos bastante negros, o que hoje não seria aceite para um filme que qualquer criança pudesse ver, mas isso só lhe acrescentava profundidade; todas as crianças sabem que existem coisas assustadoras no mundo como a morte e o sofrimento, não é um desenho animado que lhes vai introduzir essa noção.
.
Mas havia algo para o qual nenhum de nós estava preparado.


Lembro-me de em miúdo ter visto o filme umas centenas de vezes, mas a primeira vez que o vi houve algo que mudou em mim. Foi a primeira vez que se implantou no meu cérebro a ideia de que existia algo mais neste mundo do que rebuçados, jogos de computador e brinquedos das tartarugas ninja. Intui, nesse momento, que havia algo nesta vida pela qual valia a pena crescer.
Esta cena em particular está tão carregada de erotismo que quase que dá para cortar à faca a tensão das ondas de luz que irradiam do monitor. Este é um momento extremamente pontente... e tratam-se de desenhos animados.
.
Eu sei que a figura da Jessica Rabbit deveria ser completamente ridícula... uma mulher com figuras tão anatomicamente exageradas, cuja possibilidade de existência é puramente irrealista e inconcebível, não deveria ser minimamente sexual. No entanto é, e desconfio que isso é uma grande derrota para a raça masculina no geral. Mas a sério que não estou minimamente preocupado. Além do mais, não é só a sua figura; a Jessica Rabbit sabe ser sensual, bolas!
.
E melhor que tudo, ela é completamente apaixonada pelo maior totó do filme, o Roger Rabbit. Se ele conseguia ter uma mulher assim, isso significava que um de nós também tínha alguma hipótese.
.
Depois de ver este filme, nenhum rapaz teve outro remédio senão crescer um bocadinho e esperar em vão pelo dia em que conhecesse uma mulher igual à Jessica Rabbit.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Parvoíce aos Quadradinhos (nº8)

Lembram-se do meu post sobre as escapadelas do Super-Homem?


Pois é...

Pensamentos Divergentes (nº7) - Carta à Tristeza

Sempre gostei de brincar com a rima... este texto saiu de mim recentemente.

Tristeza, minha eterna namorada, que dá até não restar nada,
escrevo aqui para te dizer
Que a nossa relação amorosa, mesmo que por vezes proveitosa,
só serve para eu sofrer.

Na rua há outros desconsolados, que são também teus namorados,
soube eu sem perceber
Que tu nunca descriminas, segues somente doces linhas,
que outro alguém traçou sem querer.

Tristeza meu amor, foste mel de beija-flor
envenenado nos recantos
E eu sei de outros tantos, que ao procurar os teus desencantos,
morreram com o seu ardor.

Entre beijos e bailinhos, enquanto segues teus sós caminhos,
de mãos dadas a outro qualquer
Fico por ti abandonado, prontamente aliviado,
por não ter mais que te ver
Até que voltas em teus passos, arrastas os teus pés descalços,
e não me aguento sem te ter.

BETTER, BETTER, BETTER

.
Ainda hei-de dedicar uns bons anos da minha vida a apontar todas as coisas fixes do mundo numa única lista, por grau de intensidade. Desconfio que as one man bands estariam na centena do topo, entre "chocolates After Eight" e "Orgias".

Son of Dave é um projecto muito bom dentro desta onda que se tem tornado crescentemente popular (pelo menos nas tendências indie). Deixo aqui a sua cover da música Harder, Better, Stronger, Faster dos Daft Punk.



Agora até que marchavam uns After Eights.

Orgias não que comi muito e deve fazer mal à digestão.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº13)

.
Estive a pensar na minha própria experiência pessoal e na de amigos meus do sexo masculino ao longo dos anos. Cheguei à conclusão que cada homem tem de ter pelo menos uma femme fatale na sua vida. Uma mulher misteriosa, que nos seduz, que se mantem sempre inalcançável de alguma forma, e que acaba por nos lixar a vida.
Eu, pelas minhas contas, já tive três.


Se contar com parvoíces do início da puberdade, quatro.

Havia uma rapariga mais velha que eu, que não era "flor que se cheirasse", mas com a qual na altura eu gostaria mesmo ir para a cama (se bem que nessa altura quer-se ir para a cama com metade do mundo), e consequentemente cheguei a meter-me num ou noutro sarilho.


Se contar com paixões de infância, cinco.

Ela só namorava comigo porque eu lhe dava os meus cromos da Bollycao, que na altura eram do programa de TV fatela chamado Beverly Hills 90210. Quando os cromos começaram a ser de jogos da Sega Mega Drive (coisa que me interessava muito a mim, mas a ela nada) a coisa deu para o torto.

Foi o primeiro de muitos desgostos amorosos que estariam por vir. A diferença é que na altura as coisas ultrapassam-se em 10 minutos e fica-se logo pronto para outra.
E ao menos tinha os cromos da Sega Mega Drive só para mim.

O Medo como doença



A ignorância é uma espécie de microorganismo que infecta todos os aspectos da vida de uma pessoa. É uma besta ferida que, irracionalmente, ataca com fúria tudo o que cruze o seu caminho.

Estas pessoas não são felizes, e jamais o poderão ser. Estarão para sempre revoltados com um mundo que não conseguem controlar, devido a ameaças originadas há muito no seu passado. No fundo sentem-se mal consigo próprios, mas como não se conseguem compreender imaginam o Mal como estando de fora.

Terão sempre medo dos outros e daquilo que interpretam como diferente de si próprios. Morrerão sem que se lhes ocorra que se vivessem naquilo que imaginam como utopia, continuariam a sentir-se infelizes, sós, e sem propósito.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Odeio a natureza

Ri-me tanto mas tanto com estes vídeos que nem sei. (podem demorar algum tempo a carregar) .
I Hate Nature


I Hate Nature 2

Conversa Parva (nº7)

Eu - A minha vida é tão aborrecida, B.
Eu - Quero ir lutar contra alienígenas do espaço, comer gajas verdes e azuis de outros planetas, e ser a personagem principal da minha história e, por isso, não morrer. A não ser quando haja necessidade de renovar as séries, e aí morro de uma forma heróica e memorável.

B - Eu queria ter os pés quentinhos.

Eu - ... Agora é que me fodeste.

domingo, 23 de novembro de 2008

sábado, 22 de novembro de 2008

Pensamentos Divergentes (nº6)

.
Lembro-me de uma altura em que não era tão difícil.
Lembro-me de ser mais jovem e de tudo correr bem.

Agora é a dor. O sangue que não estanca. O ardor que não cessa e que impede o esquecer da aguçada e dolorosa memória.
Agora é sempre uma nova batalha, um novo sacrifício frente ao espelho.

É a última vez que faço a barba com lâmina, foda-se.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

You can do better than me

.
Tenho ouvido esta música de forma obsessiva nos últimos tempos.



Death Cab For Cutie - You can do better than me

I'm starting to feel
We stay together out of fear
Of dying alone

I've been slipping through the years
My old clothes don't fit like they once did
So they hang like ghosts of the people I've been

It's like my heart can't be tamed
And I fall in love every day
And I feel like a fool

I have to face the truth
That no one could ever look at me like you do
Like I'm something worth holding on to

There's times I think of leaving
But it's something I'll never do
Because you can do better than me
But I can't do better than you

You can do better than me
But I can't do better than you

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

O meu amigo D já é um adulto! Parabéns a ele

No MSN.

D - Olha, já tenho emprego
Eu - ! =o
Eu - Onde, onde?
D - Naquela empresa que eu tinha dito, perto da Almirante Reis.
Eu - Parabéns pá! =D

Eu - 'Tás fodido, não 'tás?
D - 'Tou tão fodido que tu nem imaginas.

Conversa Conjugal (nº6)

.
Eu - Então, que achaste da segunda parte do Por Nomear?
Ela - Gostei muito, estou a ficar agarrada. Mas já percebi que não vai ter um final feliz.
Eu - Porquê? Olha que eu já tenho o geral pensado, mas não sei bem como vai acabar.
Ela - Ora, contigo tem de ser tudo grande e trágico... vai acontecer algo de muito mau ao rapaz.
Eu - Não necessariamente. Mas já deves ter percebido que o tal rapaz não é assim muito...
Ela - Pois, por isso mesmo disse que não vai acabar bem.
Eu - Não costuma.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Parvoíce aos Quadradinhos (nº7)

.
"O Batman Arco-Íris!"
.

O pobre do Robin ainda não percebe (ou ainda não quis perceber) esta obsessão que o Batman tem pela moda.

Pelos vistos, os traumas pelos quais o jovem tem passado são tão grandes que a única forma de ele proteger a sua fragilizada psique é a de se iludir de que o fato do Batman é "vermelho".

Conheço quem faça isso em relação às suas camisas cor-de-rosa: "Ah, não é rosa, é salmão".
'Tá bem, 'tá.

Ui!

.
Estou um bocadinho bêbedo...
Mas só um bocadinho.

E ainda tenho de rever um trabalho (mas agora não 'tou capaz) e amanhã é 'pra me levantar às 7 da manhã.

Ui!

Por Nomear (nº2)

.
"Será verdade?".

Ressoa algures no passado o tilintar das moedas que, apressadamente, atirou para o balcão.

Os seus passos eram mais apressados e os seus pensamentos mais agitados. No entanto, pareciam ter um propósito, como se pela primeira vez se tivesse elevado um ímpeto no seu interior, como se uma força invisível o empurrasse numa direcção definitiva.

"Sim, sim... tudo está claro. É A Verdade".

Sinistros eram os dedos que moldavam a sua mente agora. O café tornara-se demasiado pequeno para conter todas as dúvidas e iluminações que lhe suscitara a notícia. Saíra a correr à medida que desenrolava frente aos seus olhos uma cortina de sonhos desorganizados que, tal como as súbitas tonturas e vertigens, acalmaram com o ar fresco da rua.

Era uma noite de Setembro banal. As estrelas seduziam as nuvens, ameaçando revelar-se ao céu nocturno. Na rua, pairava uma estranheza solitária que se pendurara nas casas e nos carros. Se alguém estivesse nesse mesmo momento na mesma rua, poderia encontrar algo de místico e aterrador no rapaz de mochila às costas, que expelia um bafo quente que parecia repousar no tecido da realidade por um breve instante, para apenas desaparecer deste mundo no instante seguinte.

Não se recordava deem toda a sua vida ter uma certeza tão concreta como aquela que se começava a formar dentro da sua cabeça. Era necessário fazer algo. A urgência era tremenda. Mas seria possível ele, logo ele, fazer alguma coisa? Não, não poderia.

... Ou poderia? Esta nova verdade dava-lhe um novo propósito, um novo direito. As regras que sempre conhecera deixavam de se aplicar, perdiam todo o significado. Se a perdição era absoluta, a liberdade também o era.

Restava saber o que fazer com essa liberdade.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Alterações de vida repentinas

.
Hoje, graças ao G, fiquei a saber que "etc" em alemão é "usw" de und so weiter.

Como consegui viver tanto tempo sem esta informação, não sei.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Queria chamar a este post "Bizarro", mas só os nerds de banda desenhada perceberiam a referência

.
Hoje vesti a minha t-shirt com o símbolo do Super-Homem.

P - Este dia está a ser horrível...
Eu - Nem me digas nada... sinto-me a antítese da minha t-shirt.

Pensamentos Divergentes (nº5)

.
De vez em quando, lembra-se da rapariga com cicatrizes profundas nos pulsos, que lhe ofereceu um pequeno objecto de cores escuras emprisionadas por uma estrutura redonda de vidro. Quem meça a idade pelos anos, dirá que ela era mais velha que ele.

Foi também há muitos anos atrás. Não se conheciam de lado nenhum, mas ela lera textos dele e, pelos vistos, tocaram-na de tal forma que ela quis partilhar aquela pedra preciosa com ele. Ela falou algo que ele não recorda bem, sobre o significado e a beleza das pequenas e insignificantes coisas.

Até hoje, ele ainda não conseguiu perceber bem qual o significado deste momento para ele.

Ele nunca mais a viu.

De vez em quando, ele pergunta-se sobre o que lhe terá acontecido.

Everyone likes to dance to a happy song

.
Os fantásticos Weezer criaram uma música bastante boa, coisa que não faziam há uns anos. Já tem corrido a internet devido ao conteúdo do videoclip que inclui versões de vários videos que fizeram furor no youtube, chegando até a convidar os "protagonistas" desses vídeos. O resultado é, de facto muito divertido. Principalmente se tivermos em conta a letra da música, que eu adoro.


Weezer - Pork And Beans

They say I need some Rogaine to put in my hair
Work it out at the gym to fit my underwear
Oakley makes the shades that transform a tool
You'd hate for the kids to think that you lost your cool

I'ma do the things that I wanna do
I ain't got a thing to prove to you
I'll eat my candy with the pork and beans
Excuse my manners if I make a scene
I ain't gonna wear the clothes that you like
I'm finally dandy with the me inside
One look in the mirror and I'm tickled pink
I don't give a hoot about what you think

Everyone likes to dance to a happy song (hey, hey)
With a catchy chorus and beat so they can sing along (hey, hey)
Timbaland knows the way to reach the top of the charts
Maybe if I work with him I can perfect the art

I'ma do the things that I wanna do
I ain't got a thing to prove to you
I'll eat my candy with the pork and beans
Excuse my manners if I make a scene
I ain't gonna wear the clothes that you like
I'm finally dandy with the me inside
One look in the mirror and I'm tickled pink
I don't give a hoot about what you think

No I don't care
I don't care

I'ma do the things that I wanna do
I ain't got a thing to prove to you
I'll eat my candy with the pork and beans
Excuse my manners if I make a scene
I ain't gonna wear the clothes that you like
I'm finally dandy with the me inside
One look in the mirror and I'm tickled pink
I don't give a hoot about what you think

Confirmações

.
Recentemente escrevi um post sobre raramente me lembrar dos meus sonhos, e quando me lembro são completamente loucos e deixam-me confuso quando acordo no dia seguinte.

Hoje sonhei com os Marretas.

A Ms. Piggy estava vestida de princesa, a cantar qualquer coisa sobre velas, estrelas e amor.
Sempre que alguém a interrompia, passava-se completamente.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº11)

.
Num café

"Tenho cá para comigo que existe uma conspiração qualquer que envolve fazer mesas com uma perna mais curta que as outras."

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº10)

.
Eu - Tens as chaves, não tens?
R - Não te preocupes. 'Tás comigo, 'Tás com Deus.
Eu - ... 'Tou aqui a pensar, será que o Vaticano pode condenar essa frase tipicamente portuguesa? Soa um bocadinho a blasfémia.
Amiga - Mas... como é que tu lembras dessas coisas?

domingo, 16 de novembro de 2008

Chocolate Quente

.
Ontem, no café Intensidez, pedi algo que não bebia há 5 anos... chocolate quente com menta.

Fui para fora fumar um cigarro (de menta também, o D chama-lhe "tabaco de p**a") para apanhar bem o frio da noite, de forma a melhor contrastar com o calor e a doçura do chocolate.

"Bolas, não está suficientemente frio". Tirei o casaco e a camisola, ficando só de t-shirt.
Algumas pessoas passaram por mim e olharam com alguma estranheza para alguém que, numa noite tão fria, preferia estar de t-shirt segurando roupa quente numa mão e um cigarro quente na outra.

Não me importei muito. Acabei de fumar e voltei para dentro.

O chocolate estava óptimo.


P.S. - Agradecimentos ao R por aquela coisa que nós sabemos e que me deu muito jeito.

sábado, 15 de novembro de 2008

Conversa Conjugal (nº5)

.
Vendo o blog Não Compreendo as Mulheres

Eu - Olha! Sabias que vai sair um livro do Não Compreendo as mulheres?
Ela - Ah, sim! Eu era para te ter falado nisso. Até 'tava a pensar dar-to n...
Eu - ...
Ela (toda lixada) - ...
Eu - "No Natal", era isso que ias dizer não era?
Ela (cada vez mais lixada) - ...
Eu (rindo-me) - Sim, realmente é uma boa prenda.
Ela - ...


Era uma boa surpresa, era.

Coisas Que um Gajo Coiso (nº9)

.
De vez em quando ainda vamos descobrindo em conjunto que houve uma peta que lhe contei a Ela na brincadeira há meses e meses atrás, em que me esqueci de lhe contar a verdade.

20 pequenas coisas do meu dia-a-dia

.
1 - Nunca me levanto à hora que é suposto levantar, fico sempre uns 15 minutos na cama, ou então quando me levanto é para deambular como um zombie pelo meu quarto.

2 - A primeira coisa que faço de manhã na casa de banho, é chichi.

3 - No duche, tenho sempre o mesmo ritual: primeiro lavo a cara e as orelhas com gel de duche, depois meto o champô, de seguida passo gel de duche pelo meu corpo duas vezes (dando mais atenção à zona da virilha, rabo e axilas), e finalmente passo-me todo por água. Sempre.

4- Tenho dificuldade em ficar quieto enquanto lavo os dentes. Ponho-me a andar às voltas pela casa-de-banho enquanto os escovo, ou chego mesmo a dar um passeio pela casa.

5 - Gosto de meter música a tocar enquanto me visto, mesmo que isso implique eu atrasar-me ainda mais do que já estou.

6 - Desperdiço sempre uns bons minutos frente ao espelho a tentar controlar o meu cabelo, até que desisto, insatisfeito com o resultado.

7 - Desde que não esteja muito mau tempo, calço uns dos meus All-Star.

8 - Quando saio de casa de manhã sem a minha dose habitual de cafeína, Ela manda-me logo ir beber um café porque "Ele fica insuportável e de péssimo humor se não bebe café".

9 - Quando pressinto que o dia vai ser uma merda, preciso de fumar logo um cigarro antes de iniciar qualquer tipo de trabalho.

10 - Como pouco durante o dia, e muito durante a noite.

11 - Todos os dias me lembro de pelo menos uma coisa embaraçosa do meu passado. E a maior parte das vezes está envolvida uma personagem feminina qualquer.

12 - É raro o dia em que não aleijo Ela sem querer.

13 - É raro o dia em que Ela não me faça rir.

14 - Ainda não contei bem, mas acho que em média chateio-me com 6 pessoas (a maior parte desconhecidas) todos os dias.

15 - Quando uma rapariga olha para mim na rua, penso sempre que é por me achar ridículo e que dentro da cabeça dela está a gozar comigo.

16 - Quando bebo um café duplo, fico sempre com saudades do V.

17 - Quando bebo uma cerveja acompanhada de amendoins, fico sempre com saudades do RP.

18 - Sempre que volto a casa de noite no meu carro, mantenho-me atento para ver se vejo o mocho que assombra a minha rua e que, ocasionalmente, vai defecar à janela do meu quarto.

19 - Por muito cansado que esteja sinto frequentemente dificuldade em dormir e costumo portanto ouvir música e ler, ver um filme, ou escrever.

20 - Raramente me lembro dos meus sonhos, e quando me lembro são completamente loucos e deixam-me confuso quando acordo no dia seguinte.

Parvoíce aos Quadradinhos (nº6)

.

Quem aqui acha que a Mulher-Maravilha era muito mais fixe nas BD's antigas, que levante a mão.
.
Mais alguém para além de mim? Hm?
.
.
Nota: A acreditar no texto do balão, as vírgulas só foram inventadas depois dos anos 50.

"Recordações de como era um puto estúpido" ou "Ela vai-se chatear comigo por estar a recordar Exs"

.
No MSN, devidamente reestruturado

C - OH MEU DEUS, O QUE EU TENHO AQUI!
C - Antes da ******** (ExEla-1), existia a ****** (ExEla-0)

Envia-me uma fotografia que não via há 7 ou 8 anos...

Eu - Ahahahahaha
Eu - Muito obrigado por me enviares isto... perdi a imagem e acho engraçado relembrar-me.
C - Ah =x
Eu - Ainda a vejo aí na rua ocasionalmente, sabes? Fazemos os 2 de conta que não nos conhecemos =P
C - A serio? Que tristeza.
Eu - Oh, nunca chegou a haver nada de facto... mas foi o meu primeiro devaneio pelo mundo feminino.
C - Eu lembro-me. Ela é muito bonita.
Eu - Continua a ser, mas acho-a mais feia. Não que ela seja mais feia, mas acaba por o ser por causa do que está lá dentro não valer muito.
Eu - Quer dizer... a rapariga tinha uns 14 anos... suponho que era uma miúda normal e eu é que não era muito normal.
C - Eu não me lembro do que se passou, por isso... =x
Eu - Ora...
Eu - Andávamos aos sms's, a coisa 'tava encaminhada... Ela foi de férias p'ró Algarve e curtiu lá com um gajo qualquer. Aqueles amores de verão, que já na altura eu achava insuportáveis =P
Eu - E fiquei destroçado.
C - Só isso?

C - Que querido.


Mais tarde...

C - 'Tou a pensar fazer criação de porcos da Índia e coelhos no quintal.
C - A minha mãe diz que sou doida.
C - Mas se eu construir uma casotinha de madeira ficam bem, não ficam?

Eu - ... Acho que é a primeira vez que concordo com a tua mãe.

Intensidade/Intensidez

.
Há muito tempo que não me sentia tão... relaxado.
Comida boa, copos de vinho à mistura, Ela comigo e sem pressas, sem prazos, sem urgências presentes nos nossos pensamentos.
Rodeados da droga intoxicante que se forma com a mistura de música e de livros à nossa volta.

Estive no melhor café de Évora (a minha cidade), cujo blog me esqueci de incluir nos links, mas já corrigi o erro.

Acho que é o único sítio nesta cidade em que não sou atendido com sete pedras na mão. Aliás, tal é a falta de hábito e tal é a simpatia que às vezes até me sinto mal.
Mas passa depressa.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Conversa Parva (nº6), e Foda-se! (nº4)

.
B - Anda, vê o Você na TV.
Eu - NÃO! Isso estraga a vida de tanta gente... "Ah vou só experimentar, há tanta gente que acha bom". E depois ficam fodidos.
B - Eu 'tou a ver. E a bater palmas AHAHAHAHAHA!
Eu - Oh não... já é tarde demais para a B... Amiga, tu... precisas de ajuda.
B - Tertúlia Cor de Rosa, porque não?
B - AHAHA, a Fátima Lopes gorda.

B - Ah, afinal 'tá gravida

Eu - ... Foda-se.

Googlices (nº1)

Esta etiqueta é para buscas do Google que vêm aqui parar...


"nietzsche e razao" - Parece-me que têm a ver um com o outro, sim.

"gajos" - Ui... Há pelo menos um por aqui... é para quê/quem?

"SE EU FOSSE UMA FOLHA DE OUTONO" - POIS, TAMBÉM JÁ PENSEI NISSO.

"ainda melhor que sigur ros" - Não sei, mas se descobrires porfavor avisa.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº8)

.
"E se eu mandasse isto tudo à merda e fosse viver sozinho numa gruta qualquer?"

Por Nomear (nº1)

.
Carrega a sua mochila para todo o lado.

Leva nela um frenesim vago, irritadiço. Nos olhos, por sua vez, bamboleia uma fartura de olhar que já é sua familiar. Cansa-lhe a imagética das coisas.
Sempre as mesmas formas, sempre as mesmas cores. Sempre o mesmo desespero agudo e cristalino, abafado por debaixo de uma manta de bons-modos e de constricções sociais. Sempre as pessoas, esses retalhos sujos que teimam em destacar-se das linhas do tecido primordial, já quase irreconhecível.

"Quinze, dezasseis, dezassete..." passa por mais uma porta, mas nesta ele entra.
Embora ainda jovem, no café já é bem conhecido.

"É um descafeinado bem cheio, não é?" pergunta-lhe a figura gasta por trás do balcão.
Não responde, o hábito secou-lhe a boca. Não faz mal, como sempre o descafeinado brota da madeira carunchosa como que por magia. É mais uma memória esquecida.

Mexe a bebida como quem respira: nem um único pensamento é desperdiçado no ritual mecânico. À medida que a colher dança nas bordas da chávena, torna-se evidente que o descafeinado assemelha-se bastante a água suja, conspurcada por partículas sólidas mais ou menos definidas. No entanto, estes detalhes perdem-se para a nossa personagem que, por motivos vindouros, nem o consumirá; tão absorto está em si mesmo.

De uma mesa, um único par de olhos curiosos assenta na figura bizarra do jovem, banalizada pela frequência e pelo cenário deste estabelecimento em que cada um entra para entrar em si próprio, através do álcool ou de qualquer outra ferramenta de eleição, desde que adequada à tarefa.
São olhos azuis.

"E o meu descafeinado?" desperta subitamente.
"Ah, já cá está... Nem dei por nada".

Por capricho do Destino, nesse preciso e valioso momento de lucidez, capta-lhe a vista a poeirenta televisão do café. O telejornal transmite mais uma notícia. Uma notícia devastadora, capaz de fazer tremer a Terra inteira, capaz de mover montanhas. Capaz de destruir mundos.

Mas esperem, há mais!

.
K - A B 'tá sempre a dizer pimponettes, como é que nunca ouviste?
K - Mas já ouviste falar em coquettes (talvez sem um T)?
K - Pimponettes = pimpona + coquete.
K - Sabes o que é ser-se pimpão? Além de ser um jardim infantil em Castelo Branco. Acredito que isto não sabias.
Eu - ...

Após mais alguns esclarecimentos...

K - Pimpona é o feminino de pimpão. Pimponette é uma gaja super pimpona. É uma gaja que além de pimpona ainda é coquette.


Foda-se!

Lembram-se do último post? Aquele mesmo há bocadinho?

.
Com a K, mostrando o seu desagrado sobre o concerto de Sigur Rós da noite anterior.

K - Fiquei um pouco triste até... gente toda produzida, gajos cheios de batom espalhado pela cara, com uma pimponette atrás. Foi mesmo triste. E mais uma vez a arruinarem momentos sublimes, como fizeram em 2006.
Eu - O que... o que é uma pimponette?
K (rindo-se) - É a gaja que acompanha o rapaz cheio de batom. É a gaja que traz o batom espalhado à volta da boca. É... vá lá, a "bitch".
Eu - ... Valha-me Deus, tu funcionas com um sistema de língua completamente diferente das outras pessoas. Era suposto eu perceber que uma pimponette era isso tudo só pelo nome? Ou sou eu que já estou demasiado velho para perceber a linguagem dos jovens?
K - Hm... quer dizer, ultimamente tudo o que acaba em "ette" para mim significa "acompanhante"...

K - Pode ser mania minha.


Pode... pois pode...

E ainda dizem que as mulheres não sabem o que querem...

.
E consta também que há quem diga que são super exigentes e complicadas...

C - Hoje estou tão desanimada.
Eu - Porquê?
C - Porque quero ir para a Índia, converter-me ao budismo! Ou não me converter a porra nenhuma, visto que não sou nada. Quero ser médica e viver rodeada de animais e isto nunca mais acontece e a vida toda está muito aborrecida e parada!
Eu - Sempre podes começar a fazer malabarismo com facas... tornava-a sem dúvida mais excitante.
C - Já faço.

C - Mentira, com facas não.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Um pouco sobre blogs e um pouco sobre mim

.
Decidi falar um pouco sobre os blogs que considerei dignos (até agora) de constarem nos meus links... aqueles ali à direita, sabem?


Crónicas de Simão - Um blog que criei com o R por diversão e que acabou por cair "um pouco" em desuso. Tinha propósitos puramente satíricos e não era muito muito mau, mas também não era muito bom. Até tenho um bocadinho de vergonha de algumas coisas, mas isso faz parte da vida.

Descomplicar é Complicado - É o blog d'Ela e basta. Ah, o nome original do blog, que é o que consta no endereço, foi ideia minha porque sou eu o nerd da relação, não a culpem a Ela.

Embriaguez de Pensamento - Possivelmente, o blog mais introspectivo e existencialista de toda a Blogosfera. Pertence ao P que é meu amigo há já uns bons 8 anos e com o qual me pego de vez em quando, mas é quase só brincadeira.

Estórias - O recém-nascido blog da B, que já conhecem daqui. Desde que a conheço que adora fotografia e penso que este será o pilar do seu blog. Vale a pena ir espreitando, ela tira fotografias espectaculares.

Em Órbita - O blog algo esquizóide mas sempre bom do N, que me encorajou a tentar voltar a escrever como escrevia antes, que por sua vez é a razão principal da existência deste blog. Vou lá chegando aos poucos e poucos; ele diz que com o treino tudo se resolve. Veremos.

Live from Steinfurt - Este é do G, um grande amigo que nos abandonou temporariamente e que deixa grandes saudades. O blog é sobre a sua aventura pela Alemanha e pela vida em geral. O filho-da-mãe escreve mesmo muito bem e não tenho vergonha de admitir que o invejo.

Não Compreendo as Mulheres - Suspeito que poderá ser o melhor blog português que anda por aí. Confesso que serviu muito de fonte de inspiração para o meu próprio blog. Não são só as estórias que conta que são fantásticas, é a própria escrita.

Quinta das Pedras - Dois irmãos, um de cada sexo. Uma em Oxford e outro em Lisboa, quebrando uma barreira 2222 quilómetros e comunicando através do seu blog. Acho que esta descrição basta para fazer com que todos tenham vontade de ir lá espreitar.

Sim, Sou um Science Geek - Porque eu também sou um Science Geek.

A prova definitiva de que os críticos de música não sabem nada de nada

.
Não podia deixar de partilhar aqui um vídeo que o D me enviou. É muito bom mesmo... pelo menos para os fãs de Pink Floyd.



A música chama-se Astronomy Domine e é a primeira música do seu primeiro álbum, The Piper at The Gates of Dawn.

Quanto ao apresentador... espero que, caso exista um Além, passe a eternidade com vergonha do que disse neste programa.

Parvoíce aos Quadradinhos (nº5)



Não sei se serei só eu, mas cá para mim quando um jovem adolescente usa a sua visão Raio-X noutros rapazes (quando ainda porcima tem uma jovem atraente ao lado) é porque já tem as suas tendências bem definidas. Não há aqui o pretexto da "experimentação" ou da curiosidade.

Isto leva-me a pensar que o romance entre "Clark Kent/Kal-El/Super-Homem" e "Lois Lane/Lois Lane" não passa de uma fachada encenada por este ícone universal.

Ele vai disfarçando a coisa mais ou menos bem, dando de vez em quando umas escapadelas em roupa de licra justa e penteado de engate. Ela suspeitar até suspeita, mas não tem certeza de nada e mais vale afogar-se no trabalho para não pensar na mentira em que a sua vida se tornou.

Continuam juntos por hábito e pelo medo de ficarem sós. Resignam-se a uma vida vazia e triste em vez de se arriscarem a perder tudo, por muito pouco que seja.

Talvez cada um esteja a fugir de si próprio.


Foda-se, quando estas bandas desenhadas me deprimem é porque a coisa está mesmo má.

.

P.S. - Ah, mas por outro lado acho que todos podemos ficar felizes por não ter pegado o nome "Visão-Penetra" em vez de "Visão Raio-X". Graças a isso, o mundo é um pouco menos arrepiante do que aquilo que podia ser.

Conversa Parva (nº5)

.
De conversa com a B, a propósito de um blog que lhe mostrei.

B - Estas merdas acho tão lamechas que me apetece cuspir nas pessoas que as escrevem.
Eu - Eu também escrevo coisas lamechas de vez em quando... não me cuspas na cara que isso não é higiénico.
B - Man, tu não escreves que o coração foi-se e tu 'tás-te a cagar... recuso-me a ser lamechas.


Nem sei porque meti esta conversa aqui. Por alguma razão achei-lhe piada.

Pensamentos Divergentes (nº4)

Mais uma vez esta febre que desenrola pelo corpo em saltos ledos. Sussurra e as sombras escapam por entre os dedos, agridoces segredos escrivãs de uma carta que não chega.
Mais uma vez, uma outra e uma quarta. É Quarta-Feira, e aproxima-se rasteira uma quinta que não sossega. E ele sabe que o nega pois lembra-lhe a tal Alameda.
Mais uma vez e agora com força. Por esta ou por outra, algum dia se há-de parar.

Pensamentos Divergentes (nº3) - Anti-GPS

.
Se por acaso alguém me encontrar por aí, perguntem-me onde é que eu ando, que eu não sei de mim.

Foda-se! (nº3)

.
Professor para uma aluna sua que é muito magrinha e portanto... bem, hão-de perceber.

Professor - Então e diga lá, *****: tem inveja da Luciana Abreu?
Aluna - ...

Nietzsche tinha razão, Deus está morto

Não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós.
Achei o último CD deles espetacular e uma evolução interessante para a banda, e aposto que neste concerto tocaram montes de temas novos daquela forma genial.
Não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós.
Fui ao último concerto deles em Portugal e foi óptimo mas tenho a certeza que este foi ainda melhor.
Não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós.
A banda de abertura desta digressão, como sempre, é excelente; uns gajos Islandeses chamados For A Minor Reflection, com um som muito influenciado por (achei eu do que ouvi) Godspeed You Black Emperor (outra banda genial).
Não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós.
A B foi ver (sem mim!) e passou metade do concerto a mandar-me mensagens com o único propósito de me meter inveja e de me matar a alma aos bocadinhos.
Não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós.
Só saí às 6 da tarde e mesmo assim tinha trabalho para fazer em casa, mas continuo convencido que podia ter ido à mesma.
Não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós, não fui ver Sigur Rós.


Inní mér syngur vitleysingur - Sigur Rós



Foda-se, não fui ver Sigur Rós.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Ausente

Não tenho escrito muito, mas tenho uma boa desculpa. O tempo não tem sido muito; tenho diferentes trabalhos e projectos e acabo por preferir passar o tempo livre com gente de quem gosto em vez de ficar em casa a escrever no computador.

Isto há-de melhorar, não sei quando, mas há-de há-de.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº7)

.
Hoje apeteceu-me fazer a barba com lâmina, pela primeira vez este ano.

Uma coisa garanto:
Fazer a barba não é como andar de bicicleta.

E foi com uma gilette da BIC...

É o seguinte, não me posso queixar muito, acho que estas que comprei são afiadas e isso é, de facto, importante...

... Mas ainda assim, gostava mais de não segurar nas mãos uma coisa com o potencial de me decapitar caso eu espirre.



A sério, 'tou todo cortado, é uma vergonha.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº6)

Já alguém alguma vez levou com um murro na testa? É que eu levei hoje e queria saber se era o único em toda a evolução da nossa espécie.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Se eu fosse uma folha

.
- passava o dia a apanhar banhos de sol e mesmo assim fazia algo de útil
- teria as minhas nervuras à mostra
- seria uma folha redondinha e banal, e passaria a minha vida a querer ser daquelas folhas pontiagudas com ar fixe
- continuava a não saber para que servem o xilema, o floema ou o parênquima paliçado, e continuava a não ter importância porque continuava a não precisar de saber o que são para fazer a minha vidinha como deve ser
- não teria paciência nenhuma para as chatas das folhas de cannabis
- chegava o Outono e batia as botas, mas só se fosse uma folha caduca, que com a minha sorte é o mais certo

Foda-se! (nº2)


Colega - Uma vez deparei-me na escola com um rapazinho que com os seus 11 anos já tinha tido relações sexuais...
Eu - ...
Colega - Ele até era gordinho...

(Pelos vistos o que lhe fazia mais confusão era o facto do puto ser gordinho e mesmo assim ter ido para a cama com uma miúda. Foda-se!)

"Quero levar o Obama para a minha cama...

... e discutir política".

Estou razoavelmente contente por Barack Obama ter ganho as eleições. Não percebo porquê o entusiasmo de algumas pessoas, o gajo não vai ser presidente do nosso país... eu sei que os Estados Unidos isto e aquilo para a economia mundial, mas não exageremos. Também sei que é sim senhora um marco na história e que se calhar até nos podemos orgulhar um bocadinho daquilo que a humanidade avançou, permitindo-nos esta mudança.


Agora uma pergunta...

Sou a única pessoa que está contente com o resultado da eleição por ele ser um democrata que até parece inteligente, e não porque ele é negro?

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº5)

"Quando conduzo em hora de ponta, parece que o mundo inteiro está contra mim."

Parvoíce aos Quadradinhos (nº4)

Gostava de ter algo a dizer sobre esta imagem. Gostava mesmo.

Happy Birthday - Parte II

Ok, os hamsters são loucos. O macho, aquele filho de uma grande p***, fugiu e obrigou-nos a andar atrás dele pela sala, desviando sofás e desarrumando tudo.

O pequeno psicopata, para além de rápido, tem tendências suicidas ou então delírios megalómanos, e decide saltar da nossa mão para o chão onde, coincidentemente, se encontram as cadelas que há muito tempo andam de olho fisgado a querer brincar com eles.
Esta brincadeira envolve, claro, dentes afiados, sangue, e o resultado final é um rato finado.

Ainda porcima, o cabrão do roedor olha para mim olhos nos olhos, como que a gozar comigo. Tendo em conta a pouca capacidade cognitiva do mamífero em questão, das duas uma: ou o bicho está possuido pelo próprio Satanás, ou uma paranóia febril começa a instalar-se na minha mente.
De momento, inclino-me mais para a primeira opção.


Sempre passámos o dia todo juntos e só agora cheguei a casa. O último post foi escrito em 10 minutos nos quais lhe roubei o computador para "assuntos urgentes e importantes". As duas maiores refeições do dia (almoço e jantar) foram passadas com amigos próximos. Ao almoço comi demais e bebi demais, combinação que resultou numa bela sesta. Depois do jantar fomos ao café com o D e o R, e o café foi a Ela (uma rapariga no café chocou com um conhecido nosso, e o café que a rapariga carregava na mão caiu nas costas d'Ela... foi uma boa prenda de anos).

E pronto, foi mais ou menos isto... para finalizar deixo aqui provas de tensão sexual existente entre mim e o D.

Ela - Eu acho que vocês os dois são muito parecidos... só que diferentes.
Eu - ...
D - ...
Eu - Como assim?
Ela - O D é uma versão mais boazinha de ti.
Eu - ...
D - ...
Eu - D, eu acho que nós no fundo somos almas gémeas.
D - ...
Eu - Mas está descansado que não quero cá incestos.
(Risos)

domingo, 2 de novembro de 2008

Happy Birthday

Ontem à noite, já depois da meia-noite. Ela andava de sapatos de salto alto para se armar em boa, e acabou por ficar cheia de dores nos pés. Como é óbvio, tive de a carregar na rua às minhas cavalitas. Nota: ambos estávamos sóbrios.

Eu - Existe uma diferença substancial entre levar a minha sobrinha às minhas cavalitas e levar-te a ti.
Ela - Estás a chamar-me de gorda?
Eu - Não, mas pesas como a porra.
Ela - Deixa 'tar, és um querido por me andares a levar às cavalitas, gosto muito de ti.
Eu - É. Logo em casa monto-te eu.


Ela gostou das minhas prendas... um cinto com um dos seus bonecos favoritos e um gorro com orelhas à urso. Hoje anda aos saltinhos pela casa com o gorro, parece uma criança a estrear o brinquedo novo.

Também recebeu como prenda 2 pequenos hamsters ou lá o que é aquilo... o macho passa o tempo a correr na rodinha e a trepar a gaiola e a fêmea mete-se sempre dentro da casinha de plástico a arrumar as bolas de algodão. Irrita-me a fidelidade que estes roedores têm para com os estereótipos de género.

Hoje vou passar o dia com ela... o trabalho está a acumular cada vez mais, mas que se lixe. Sofro depois.

sábado, 1 de novembro de 2008

Outra volta completa em torno do Sol

Tenho de me despachar. Ela faz anos amanhã, vou tar com ela para passarmos a noite juntos.

Estou há 2 meses a aguçar-lhe a curiosidade falando-lhe da sua prenda. Vamos ver no que dá.

O bebé

Lembrei-me que ainda não falei do meu novo Sobrinho. Não há muito a dizer, é um bebé. Para mim são todos iguais entre si, com mínimas diferenças... mas em geral, acho-os todos parecidos com o Winston Churchill.

É um miúdo saudável e inusitadamente peludo. Já dizem que tem mais barba do que eu, e até admito que lhe invejo as patilhas.

Passa a vida a mamar, dormir, urinar, defecar, fazer caras feias de zangado, e a olhar-nos de lado (a sério, o miúdo só abre os olhos para nos olhar de lado, anda mesmo armado em mau).

E pronto, é só isso...



P.S. - Ah, hoje a mudarem-lhe a fralda borrou-se com tal força que salpicou a mãe.

Foda-se! (nº1)

Aconteceu com a minha Irmã e o meu Cunhado na rua com os seus filhos (a minha Irmã já pôde sair do hospital com o recém-nascido). Havia uma senhora a entregar panfletos sobre os 3 pastorinhos e merdas dessas.

Senhora - Tomem, meus senhores. São crentes?
Cunhado - Não, não somos.
Senhora - Deixe estar... Deus também ama os maus.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº4)

"Que se foda, hoje vou jantar Chocapic."

Parvoíce aos Quadradinhos (nº3)

Às vezes sinto-me como o Homem-Aranha

Só para que saibam, aquilo supostamente é areia (o gajo de verde é o Homem-Areia com uma armadura especial).

I wanna hear a sad song



Esta música das Au Revoir Simone é particularmente relaxante e tenho-me aproveitado dessa sua característica ultimamente. O vídeo também é extremamente cativante, tal como as encantadoras raparigas nova-iorquinas que compoem o grupo. Tive a oportunidade de as ver ao vivo e bem de perto e é uma experiência quase que purificante. Transmitem o seu som numa frequência que desperta o que existe de melhor em nós.

Sei que a vocalista principal não é bonita no sentido banal, mas desafio alguém que veja o videoclip todo (ou que, melhor ainda, as veja ao vivo) a dizer que ela não é mesmo bonita.


Au Revoir Simone - Sad Song

Play me a sad song because
That’s what I want to hear.
I want you to make me cry.
I want to remember the places that we left,
Lost to the mists of time.

I know that you’ll go soon.
You’ll find out so take me with you always.

On buses that move through the night
We sleep on and on.
We got off at Memphis, black-top heat will make us thirsty.
We’ll never get sick anymore.

Azáfama

Tinha de me meter em não sei quantos projectos ao mesmo tempo. Era uma decisão de já alguns meses: "Foda-se, não ando a fazer nada de jeito com a minha vida".

Agora, com o nascer do meu novo Sobrinho tenho tido ainda menos tempo. Acabo por passar maior parte do meu tempo livre a tomar conta da minha Sobrinha mais velha e a brincar com ela. O raio da miúda esgota-me por completo, mas é uma tarefa bastante gratificante. Este post é escrito numa preciosa pausa, na qual ela foi ao hospital com os avós para ver o irmão e a mãe, dando-me algum tempo para reflectir e para respirar.

Entretanto, vai-se acumulando trabalho e as forças já começam a faltar. Ao mesmo tempo começa-se a sentir o peso daquilo que os outros esperam de mim em vários aspectos da minha vida. Do que eu espero de mim e da minha vida, já nem vale a pena falar; estou habituado a desiludir-me a mim próprio.

Acho que vou ter de voltar a beber 5 cafés por dia. Dá-me cabo do estômago/intestino grosso, mas é a vida.

...
Foda-se, precisava mesmo de ir beber uma cerveja hoje.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº4)

Ainda há pouco, a andar na rua:

"As mulheres têm um sexto sentido para saber quando estamos a olhar para o rabo delas?"

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Que feitio...

(a minha Sobrinha para o pai dela, em relação a uma porcaria qualquer de plástico de formato oval e com umas cores vermelhas, emoldurado com diamantes a fingir)

Sobrinha - Olha pai! A minha joaninha!
Eu - É uma jóia, não "joaninha".
Sobrinha - Não, é a minha joaninha, olha lá pai!
Eu - Isso é uma jóia, não tem nada a ver com joaninha.
Sobrinha (para mim) - Não 'tou a falar contigo!

Finalmente

Já nasceu.

(3 quilos e 880 gramas).

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Gala?

Parece que Ela e a minha Sobrinha de 3 anos e meio são parecidas.

Sobrinha - E tu agora fazes de galo, que eu faço de gala.
Eu - "Gala?"
Sobrinha - Sim, tu fazes de galo e eu de gala.
Eu - Galo e galinha, queres tu dizer.
Sobrinha - Gala.
Eu - Diz-se "galinha".
Sobrinha - Não, GALA!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Parvoíce aos Quadradinhos (nº2)

Sei que não parece, mas eu digo muita parvoíce ao longo do dia. No entanto, as situações em que as pessoas se chatearam mais comigo foi quando me interpretaram mal ou quando retiraram o que eu disse de contexto.

Para se aperceberem da importância do contexto, deixo-vos a seguinte imagem que é, mais uma vez, de uma antiga BD do Batman.

Peço desculpa às mentes mais sensíveis.

Where is my mind?

O dia de trabalho foi longo e chato. Bebi cafés demais durante o dia e só agora a minha mente começa a amolecer e relaxar. Pelos vistos, quando estou assim, é um momento óptimo para esta música dos Pixies me invadir o crâneo. Ela ia-se passado pois fui reproduzindo os guinchos durante todo o caminho de carro. "Oooooh!"



The Pixies_Where Is My Mind? - The Pixies



Ooooooh - stop

With your feet in the air and your head on the ground
Try this trick and spin it, yeah
Your head will collapse
When there's nothing in it
And you'll ask yourself

Where is my mind?

Way out in the water
See it swimmin'

I was swimmin' in the Carribean
Animals were hiding behind the rock
Except the little fish
But they told me, he swears
Tryin' to talk to me to me to me

Where is my mind?

Way out in the water
See it swimmin'?

With your feet in the air and your head on the ground
Try this trick and spin it, yeah
Your head will collapse
When there's nothing in it
And you'll ask yourself

Where is my mind?

Ooooh
With your feet in the air and your head on the ground
Ooooh
Try this trick and spin it, yeah
Ooooh
Ooooh

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Pensamentos Divergentes (nº2)

Chove lá fora.

Vou à janela, e acendo o meu mau vício. Ouço uma voz feminina: "Isso é cigarrilha? Que nojo!".

Ouço outra voz também, agora interna e andrógena... fala não com palavras mas com tropeções de pensamentos abafados pelo fumo e pelo cair da chuva. Ao mesmo tempo, pintam-me o casaco as gotas de água e o cheiro nauseabundo do tabaco.

Sinto nesse preciso momento que me falta ali qualquer coisa, mas não sei bem o quê.

Conversa Conjugal (nº4)

Ela - Está cá um frio... depois ainda porcima apanho com esta rabanada de vento...
Eu - ... "Rajada"?
Ela - Rabanada.

Conversa Parva (nº4), ou "Como eu sou um amigo porreiro"

(Há uns dias atrás, ao telefone com o D, 1 hora antes do café da Conversa Parva (nº2). Pelos vistos, os pais dele estavam mesmo ao seu lado).

Eu - Então, 'tás por cá?
D - 'Tou.
Eu - Queres ir beber um café?
D - Yah, vamos onde?
Eu - Vamos ao Bôda.
D - Ao Bôda? Onde é isso?
Eu - É no cara*** que ta fô**.
D (a disfarçar) - Ah, sim?... muito giro.

domingo, 26 de outubro de 2008

Conversa Parva (nº3)

(Por MSN, depois da minha amiga B me mostrar a música Zum Zum Zum de Dino Meira)


zum zum zum - dino meira


Eu - ... Ouve lá, que panasquice é esta? Mas tu és panilas ou quê?
B - LOL. Sou miúda estúpido.
Eu - És panilas à mesma. Se ouves esta porcaria és panilas

Parvoíce aos Quadradinhos (nº1)

Podem perguntar a quem me conheça que eu NUNCA gostei de Banda Desenhada, nem em puto e muito menos agora.
Quem me conhece bem também sabe que sou um gajo com um sentido de humor sofisticado e que não acho piada nenhuma a coisas parvas ou de mau gosto.

Tendo dito isto:

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº3)


Outra vez em frente ao espelho e em pelota depois de tomar banho


Eu (em pensamento, não me perguntem porquê): Alguém, na história da humanidade, já levou o Marques Mendes a sério?

Etiquetas

O D acha que é muito esperto.
O D acha que tem muita piadinha.
O D acha que a minha necessidade de catalogar cada post meu com etiquetas específicas é apenas mais uma das manifestações da minha personalidade obsessivo-compulsiva.
O D é capaz de ter razão.

I'm Of Montreal


Of Montreal é, sem dúvida, uma das melhores bandas deste momento, talvez de sempre. São conhecidas pelos trabalhos mais recentes mas a sua carreira já tem mais de 10 anos e contém 9 álbuns. É bastante interessante a sua evolução musical e como conseguiram diversificar-se tanto sem nunca perder o que os caracterizava nas suas primeiras músicas.


Mas o que interessa mesmo, é que a maior parte da música deles serve para um gajo ficar na merda, mas contente mesmo assim.



I Was Never Young - Of Montreal

I was never young, even as a child
Said I was never young
I've always felt beguiled
Oh, I just never smiled

But you have a glow
Flown from an inner sense I'll never know

Because I was never young, even as a boy
No, I was never young
Kindness seemed no ploy to temper or annoy

But you, you have a mind
Full of a wonderment I'll never find
Because I was never young

Ever since I was a kid
I've been a brooding basket case

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº2)


E se no próximo CD do José Castelo Branco ele fizesse um cover daquela música "I kissed a girl and I liked it"?

Pensamentos Divergentes (nº1)


Há pessoas, particularmente mulheres, que contaminam a nossa existência. A mais simples das acções ou dos rituais, como calçar as meias por exemplo, poderá inesperadamente remeter-nos para um momento ou diálogo do passado, da mesma forma que inesperadamente pisamos merda de cão no caminho para algum sítio definido.

Dá vontade de nunca mais calçar a porcaria de umas meias.

40 semanas

A minha irmã está grávida, pela segunda vez, já com quase 40 semanas e tudo (para quem é mais lento nas contas, ultrapassa os 9 meses).

Cada vez que recebo um telefonema inesperado assusto-me porque penso que ela entrou em parto. A minha sobrinha mais velha tem já mais de 3 anos e é uma peste brincalhona que se farta de pregar petas; este ainda não saiu da barriga e já anda a gozar com a minha cara.


P.S. - 40 semanas é exagero, pronto.

Conversa Parva (nº2)

(Conversa de café com o D, um gajo que conheço desde os meus 6 anos)

Eu - Ouve lá D, quando eras puto tinhas sonhos molhados?
D - Não me pronuncio.
Eu - Isso significa que tiveste. Só 'tou a perguntar porque eu nunca tive, e sinto como se faltasse algo na minha juventude.
D - Então não tiveste uma vez um com extra-terrestres?
Eu - Isso foi sonho erótico, é diferente, não há cá molhado nenhum... e foi estúpido, todos os meus sonhos são estúpidos, mesmo os eróticos.
R - Supostamente 80% dos rapazes têm (sonhos molhados).
Eu - Então faço parte dos 20%, sou uma minoria?
Ela - Quer dizer, então e as raparigas? Também podem ter.
R - As mulheres não ejaculam.
Ela - Olha que sim, algumas ejaculam, está provado!
Eu - Olha um gajo não saber disso... essa merda é perigosa.
Todos - ... ?
Eu - 'Tá um gajo a fazer um minete e ainda pode ficar cego de um olho.
Todos - Epá, foda-se...
Eu - Se calhar foi isso que aconteceu ao Camões, diz-se que o gajo era um engatatão.

sábado, 25 de outubro de 2008

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº1)


Em frente ao espelho e em pelota (gosto de dizer "pelota"), depois de tomar banho


Eu (em pensamento) - Se eu agora espirrasse, será que "ele" tremia?

Conversa Conjugal (nº3)

Ela meteu no blog dela, por isso também meto no meu. Não sou complicado coisa nenhuma.

(Ainda no MSN)

Eu - Queres que fique eu com o carro? e depois passo aí a apanhar-te
Ela - Como estás de gasolina?
Eu - Quase na reserva, acho
Ela - Então levo eu.
Eu - Mas já sabes que a carrinha aguenta bué. E o meu também ainda não 'tá na reserva.
Ela - Ó amor faz como quiseres...

(momentos mais tarde)

Ela - Não me respondeste em relação ao Montijo...
Eu - Não vi aqui nada do Montijo... como queres que responda algo que não vi tu a perguntares-me?
Ela - "Há a forte possibilidade de ir amanha ao Montijo, queres ir ou tens muito trabalho?"
Eu - Pois, não me apeteceu cá nada disso
Ela - Ok fugiu-te a boca p'rá verdade. Não te apetece ir não?
Eu - O "apeteceu" é capaz de ter sido um lapso mas em relação a outra coisa
Ela - Sim...?
Eu - Podes ficar tu de carro?

Conversa Conjugal (nº2)

(conversa no MSN, vinda do nada)

Ela - Amor, não nos podemos deixar levar pela onda de descartável que anda por aí, ok?!
Eu - Oi?
Ela - Pois... é que... o ****** acabou com a namorada, a ***** deu com os patins ao namorado e já está com outra pessoa que quer que nós conheçamos, a ****** também já não anda com o ******* porque ele agora anda com outra miúda... Temos que ter muuuuito cuidado...
Eu - ... Mas o quê, achas que é alguma infecção que anda por aí? E que tem isso a ver connosco?
Ela - Eu 'tou a brincar contigo... mas sim acredito que este ano está a deixar toda a gente com os relacionamentos um pouco desorientados... e é claro que não tem nada a ver connosco porque o nosso relacionamento é assim especial.
Eu - Aposto que os outros casais disseram todos a mesma coisa =P
Ela - Opa não me tornes paranóica.
Eu - Tu é que vieste com histórias de termos de ter muito cuidado! Não estou a tornar-te nada que não sejas já.
Ela - Mas eu estava no gozo! =(

Ela - Mau...

Ela
- Ok eu não vou ligar porque eu não me quero aborrecer contigo, por isso faz-me feliz.

Help! I need somebody!


Estou há 3 dias seguidos a ouvir a discografia dos Beatles e nada mais. Já cheguei ao Let It Be.

"É complicado, é... "


(No meio de uma conversa que já nem me recordo)

Ela - Lá está, é um pau de dois gumes.
Eu - ... pois.

Se eu fosse um sistema operativo


- seria versão Beta, destinado a bugs até ao fim da vida
- teria de desfragmentar o disco quase todos os dias, com poucos resultados
- já teria formatado os ventrículos (o esquerdo e o direito) pelo menos 4 vezes cada
- reiniciar o sistema de manhãzinha demorava cerca de 1 hora, já depois do café tomado
- para funcionar em rede, teria de esconder toda a pornografia nos confins da RAM, que também já não chega para muito
- teria a melhor firewall do mundo que, mesmo assim, não chegaria para impedir uma certa infecção de carácter feminino

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Conversa Conjugal (nº1) - "E se eu for para a guerra? Posso ir para a guerra!"


Eu - Até parece que estou sempre a fazer merdas destas.
Ela - Não, percebeste mal então... o que eu quis dizer foi que tu sabes que eu estarei sempre à tua espera.
Eu - Mesmo que eu vá p' guerra?
Ela - Erm... sim, mas tu não vais para a guerra
Eu - Sei lá.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

E se eu fosse menos apático?


Tenho dificuldade em interessar-me pelas coisas em geral. A maioria das discussões do dia-a-dia parecem-me supérfluas e sem objectivo algum. Deixei de ver televisão, e isso implica também o telejornal, o que em conjunto com os factores anteriores faz com que muitas vezes me torne numa companhia muda ou não-cooperante em conversas casuais (o que curiosamente não incomoda assim tanta gente como seria de esperar).
Mas é claro que existe um conjunto limitado e específico de temas pelos quais tenho imenso interesse e cujo material de conversa nunca se esgota.

Mas agora eu quero saber... com quem raios vou eu falar sobre a evolução do formato dos frascos de ketchup ao longo do séc. XX ?

Se este é o 1º post...

... então é um 1º post bem fraquito.

Sesguidores