segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Estratégia


Joguei jogos cujas regras desconhecia e cada movimento foi dado em torno do teu olhar. E essa tua língua que é ora doce ora amarga torna-me a mim réptil - mudo de pele para me ajustar e caber dentro do meu próprio desejo. Quero uma cama violenta em que te possa pegar fogo, converter-te em cinzas, inalar-te por inteiro, e livrar-me de ti de uma vez por todas. Para ver se paras de me arrastar em correntes o estômago. Eu nunca quis saber de pecado. Isto é guerra.

5 comentários:

Beatriz Canas Mendes disse...

não pude deixar de comentar... ADOREI!

Anónima Singular disse...

"Quem vai à guerra, dá e leva"

T disse...

Esse título ficava melhor, realmente.

Anónimo disse...

Ganhaste-me aqui.. fantastico:)

Di*

I. disse...

Vou levar lá para o blog, este tempo todo depois e vim a procura deste teu texto de propósito.
(Anonima singular que mudou de identidade e de casa)

Sesguidores