sábado, 22 de outubro de 2011

It's always up to you if you want to be that



Não me venham com conversas sobre "para o bem das crianças". Se estivéssemos preocupados com o bem das crianças não as deixávamos por um pé dentro de uma escola.

13 comentários:

J disse...

Isso é algum ataque aos professores?

T disse...

Não sei de que forma um post de um blog pode ser consituido como um "ataque".
Contém, contudo, uma crítica ao sistema de ensino e à sociedade em geral, sim.

F. D. P. Carvalho disse...

Se não é um ataque eu, de qualquer das maneiras, subscrevo a teoria do ataque e aprovo. Os professores não valem um chavo. Não os critico por serem maus transmissores de conhecimento e maus pedagogos, que o são, mas por ser uns pedantes inúteis na sociedade em geral. E não me venham com: a culpa é do governo e das políticas educativas! É inadmissível que uma "classe" "aculturada" e intelectualmente elevada seja partidária de um governo castrador. Queixam-se muito e fazem pouco. E digo-vos já que andar a fazer de psicólogos com os putos e a dar o cuzinho ao primeiro pai que apresenta uma queixa não é educação.

p.s. com tanta merda, bem podia ter escrito um artigo/comentário de opinião n' A Bola ou no Record.

p.s.s. lamento, T., para a próxima vou ser tentar ser mais contido.

T disse...

Eu não subscrevo à "teoria" do ataque porque não acho que faça sentido qualificar uma crítica ou uma argumentação como um ataque. É errado, inadequado e contra-produtivo.
Mas não precisas de pedir desculpa nem de tentar ser mais contido. Não concordo contigo a 100% - nem acho que sejam esses os principais problemas do ensino - mas também tenho os meus problemas com a profissão de professor ou pelo menos com o que isso significa no nosso país.

J disse...

Well, espero então fazer o meu melhor enquanto futura professora... ;)

T disse...

O problema é que o melhor não chega. Mas espero que o faças, sim.

J disse...

Não me parece que seja esse o problema... Ou pelo menos o maior deles. É pertinente esta "conversa", uma vez que amanhã vou para estágio. Mas pronto, são opiniões... Todos temos uma. Eu enquanto estudante de Educação conheço outra realidade e tenho também uma opinião formada em relação a isto tudo.

T disse...

Não falei em nenhum problema em específico, mas pronto. E não presumas que eu não conheço a mesma "realidade" que tu ou que não tenha uma opinião formada.
Boa sorte com esse estágio.

J disse...

Não estava a falar directamente para ti... Talvez não me tenha feito entender.
Obrigada! ;)

Ela disse...

Como em tudo na vida há que ser relativo. Os extremos levam à desacreditação. Da mesma forma que concordo parcialmente que há muita coisa errada no nosso sistema educativo (e muito espaço também para cada um de nós - e não apenas os professores - melhorar) também não concordo com aqueles que decidem "criar" os filhos em casa porque acreditam que essa é a forma adequada de selecionar cuidadosamente aquilo que o filho deve ou não aprender (e entretanto ao crescer estamos perante uma criança que até pode ser um crânio e depois é um pequeno asperger no que toca a saber socializar com outros).
Enfim... Procurando uma visão positiva - coisa rara nos dias que correm - acima de tudo devemos antes procurar melhorar-nos a nós próprios. Se cada um o fizer, algum avanço ocorrerá.

F. D. P. Carvalho disse...

"Ela", é por existirem pessoas como tu que a sociedade portuguesa é uma anedota. Mas claro, que a minha opinião é muito relativa e como tal não deves levá-la a peito, seria muito extremista da tua parte.

E olha sobre o que as crianças devem ou não saber, digo-te que não é o Governo que o sabe. E os "crânios" não são para meninas como tu meterem o bedelho, de certeza que esses "crânios" irão perceber essa arte da socialização por si, caso contrário não poderão ser muito inteligentes.

Mas há que ser ponderado e ignorar a posição que tomei em cima, não era bem aquilo que eu queria dizer. Tenho que ser positivo, né? Nah, isso seria demasiado extremista.

T disse...

Meu... acalma-te. Tens de tentar discutir mais com ideias e menos com agressividade. Confronto é bom em certa medida, mas tu exageras o que faz com que qualquer tipo de diálogo se desmorone.
Claro que pode ser que seja exactamente isso que te interessa - confrontação e não discussão. Dando-te o benefício da dúvida, não te comportes como um troll.

Ela disse...

Querido F.D.P.Carvalho:
1º Em nenhuma parte do meu discurso me referi ao governo. Não respondi a nenhum comentário anterior (muito menos o teu) mas sim ao post feito pelo T.
2º Dizes para não levar algo a peito quando eu fui o mais moderada possível (sem procurar ofender ninguém) e tu, ao invés, foste quem sentiu tudo o que disse a peito.
3º Não percebes muito sobre pessoas, pois não? Não deves conhecer decerto casos de crianças que se tornam adultos inteligentes, perspicazes e com um óptimo desempenho laboral mas que depois lhes falta um leque de competências sociais enorme! Não sei... Talvez não percebas muito desta área igualmente.

Resumindo. Não acho que seja o objectivo desta área de comentários para cada vez que te sentes ofendido por alguém não ser ou ter o mesmo pensamento que o teu gostares de menosprezá-lo/a e dizeres que isso não "é para meninas como tu". Não me conheces, portanto não me tentes classificar. Resume-te à tua significância e comenta os teus ideais sem fazeres o mesmo que muitos políticos fazem: somente apontar o dedo.

Nota: És um ser fascinante, really.

Sesguidores