sábado, 16 de abril de 2011

Crianças e Metafísica

A falar com a minha Sobrinha sobre o Homem Invisível

Eu - E tu, se pudesses eras invisível?
Sobrinha - Não.
Eu - Não? Porquê?
Sobrinha - Porque assim nunca ninguém me via, nem os meus pais.
Eu - Ok. Mas imagina que podias ligar e desligar o poder de invisibilidade quando quisesses.
Sobrinha - Então aí já não me importava.
Eu - E o que fazias com esse poder?
Sobrinha - Olha, eu não quero imaginar que era o Homem Invisível.
Eu - Pronto. Então se pudesses eras o quê, se não o Homem Invisível?
Sobrinha - Eu se pudesse ser era eu.
Eu - ...

Dei-lhe um beijinho e mudámos de assunto.

3 comentários:

Alter Ego disse...

Tão querida. Era bom se fôssemos todos assim.

Isabella disse...

muito nova para perceber que o quanto é vantajoso não ser ela as vezes... puff.. saudades de querer ser eu!

murmuria disse...

Como quem não quer coisa, vou introduzir este tema a um dos meus catraios. Algo me diz, infelizmente, que vão ser bastante mais práticos.


P.s.: A palavra de verificação é "conart". O teu blogue é a verdadeira personificação da perversão, é o que te digo.

Sesguidores