terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Pensamentos Divergentes (nº128)

.
O teu pai bebia para não viver
- cacos de vidro no chão da cozinha -
porque o sémen que usou só deu em erva daninha

Ainda sentes as suas mãos no teu pescoço
- seguram-te em cachecol -
são elas que te aquecem nas noites em que te degola o lençol

E a tua mãe chorava todos os dias
- o seu estado era delicado -
é por ela que agora o teu amor sai despropositado

Contas as tuas cicatrizes
- procuras pela panaceia -
mas a morte é o único xarope que te deixa a barriga cheia

A morte é o único xarope que te deixa a barriga cheia.

1 comentários:

F. D. P. Carvalho disse...

"A morte é o único xarope que te deixa a barriga cheia.". gostei.

Sesguidores