segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Relembrar


Jantava em Lisboa com os meus amigos e namorada e comentava uma das razões de me sentir tão bem naquela cidade. Largavam-me os braços sufocantes de Évora e abraçava-me o conforto do absoluto anonimato. A certeza de não conhecer ninguém, de não esperar conhecer ninguém. De poder ser Eu sem amarras e de ser mais um ninguém do qual nenhum outro ninguém sabe o nome ou passado. Relembrei-me avidamente do libertador que isso tinha sido para mim quando fui lá viver temporariamente.

Foi nessa altura, claro, que encontrei contra todas as probabilidades um gajo que foi da minha turma na minha primeira (e falhada) tentativa de curso universitário. E relembrei-me também de porque fugi de informática e de tudo o que tenha a ver com ela.

5 comentários:

pedro b disse...

hey! também andaste em informática por engano?

T disse...

Sim.

pedro b disse...

é curioso... (nada mais do que isso)

wapy disse...

Eu estou em informática por engano e não me incomodo :(

kate disse...

Lol...penso justamente o mesmo de lisboa. Adoro aquilo. E estou a ver que évora está para ti como a covilhã está para mim lol. E, by the way, Évora é uma cidade linda, a covilhã nem por isso...

Sesguidores