quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Próximos objectivos de vida: Divorciar-me e tornar-me aposentado por tempo indeterminado

.
Segundo este artigo os divorciados tendem a ter mais relações sexuais que solteiros e casados e a diferença não é pouca. Pelo menos na Grã-Bretanha.
Aqui estão os resultados principais.

"O levantamento apontou que 68% dos divorciados têm relações sexuais de seis a 20 vezes por mês - uma proporção maior do que entre os casados (44%), solteiros (38%) ou casais que vivem junto (43%)."

"A pesquisa indica ainda que 11% dos divorciados têm relações sexuais mais de 21 vezes por mês - quase o dobro dos britânicos casados."

"Entre os aposentados, 29% fazem sexo mais de 11 vezes por mês, em comparação a 24% dos que trabalham em período integral e 20% dos que trabalham meio período."



P.S. - Agradecimentos ao R pela indicação.

8 comentários:

Margarida disse...

:)
Especifica aí o tipo de relações sexuais que os divorciados têm? (pago, não pago, bonecas insufláveis com bocas enormes, a manita del prata, nos arredores do técnico porque mutuo consenso é mito urbano e afins?)é que essa estatística é bué de estranha...
(mesma coisa com os reformados)

T disse...

Uau...

Espera lá, estás a insinuar que um divorciado, por se divorciar, é uma criatura tão triste do ponto de vista emocional e sexual que só consegue arranjar relações sexuais se for a pagar a prostitutas/prostitutos?
Além do mais, pareces estar a indicar principalmente divorciado do sexo masculino... o estudo também inclui a vida sexual de mulheres divorciadas. Estás a dizer que elas também recorrem à prostituição porque como estão divorciadas e "falharam" numa relação só têm essa opção?

Margarida disse...

Para ter não sei quantas vezes mais sexo que os casados? acho. Pelo que vejo (e não vivo numa escola de freiras), não só o sexo já não tem tanta importancia (e os tipos até, de vez em quando, ao se sentirem inseguros não o querem e as mulheres deixaram o desejo no emprego e nas contas para pagar) como também "há mais mundo" especialmente o virtual em que se enfiam noite após noite distorcendo a mente humana (e isso esta comprovado).
Entretanto, nos casados, a coisa continua a correr bem até porque há aquela discussão que precisa ser apaziguada e os cortinados que gostariam de comprar e vai lá uma queca para amenizar o assunto.

Eu sei que isto do "eu dou uma, ou duas ou três" é muito macho mas a prática não tem seguido a teoria do muito macho, os tempos são outros,as hormonas estão distorcidas e está tudo fodido. Acho que não me fiz entender (é sempre assim aqui) e tenho de procurar pastas escondidas do meu computador enquanto o meu gigolo não me bate à porta...

T disse...

Valha-me nossa senhora...

Mostra-me onde é que está PROVADO que o mundo virtual "distorce" a mente humana e que as hormonas das pessoas estão distorcidos e está tudo fodido. Se está definitivamente provado não faltarão artigos científicos que o indiquem consistentemente. Acontece é que eu não encontro nenhuns.

Lamento mas parece-me que estás a falar de um ponto de vista puramente emocional e não de um ponto de vista racional. Principalmente porque pareces extremamente amargurada e, mais uma vez, referiste-te de forma algo indignada principalmente ao comportamento masculino. Como explicas então que o estudo que citei também refira o aumento de relações sexuais nas mulheres e não só nos homens? As mulheres divorciadas decidem prostituir-se para terem sexo com os homens divorciados?

Além do mais, no link que eu forneci para a notícia estão lá possíveis explicações (admito que parciais) para existir um aumento da frequência no sexo em divorciados. Não sei se leste a notícia original na íntegra.

Margarida disse...

:D nada amarga. Mesmo. Acho mesmo que a mente humana tem demasiada informação fácil e os sentidos cada vez mais adormecidos (mas isso sou eu que estou a estudar sociologia). Não é - de todo - uma opinião emocional (nem é necessário reagir assim, a sério) está provado, sim, que o mundo de hoje está à procura de prazer fácil e imediato (há estudos que provam isso) e que o mundo virtual faz com que o sexo tenha outra dimensão virtual.

Da minha opinião pessoal (agora sim), e pelo que vejo, o sexo deixou de ser importante (ou tão importante) e andam(os) todos à procura de algo que nem sequer sabemos se existe. Talvez a tua resposta agressiva tenha sido consequência de minha resposta (supostamente) agressiva, não sei mas, de qualquer maneira, não gostei :)

T disse...

A espécie humana está programada (e sempre esteve) para obter prazer de informação e para procurar prazer fácil e imediato. Foi em grande parte essa pulsão que nos permitiu o nosso desenvolvimento tecnológico (desde o fogo e a roda até ao computador portátil e as impressoras). Não é o "mundo de hoje" que está doente, sempre foi assim e não se trata de uma doença. Depende da forma como é expresso.
E se estás a estudar sociologia estarás em princípio a estudar o método científico e deverias saber que os estudos não "provam" algo, não se deve dizer "há estudos que provam isto ou aquilo", principalmente se não se é capaz de fornecer o estudo ou citar autores.

A minha resposta não foi de todo agressiva, apenas chocada pelo que estava a ler. Pelo que eu já vi do mundo, não há razão para crer que os divorciados recorram mais à prostituição que os casados (diria até o contrário). E não sei se conheces divorciados, mas eu conheço alguns, dentre eles os meus pais, e nunca vi nenhum com dificuldade em arranjar parceiros e vida sexual estável.
O máximo da minha irritação terá sido em relação à afirmação de "haverem estudos que provam", pois isso é uma falácia argumentativa chamada de argumentum ad ignorantiam que eu particularmente abomino.

Se tens problemas com agressividade, então fica descansada que eu não fui minimamente agressivo. Não percebo é como fui interpretado como sendo agressivo, foi na linguagem que usei? É possível que seja simplesmente a minha forma de discutir os assuntos e se não gostas disso não há muito que eu possa fazer.
Deixa-me é só notar-te que usar carinhas sorridentes ":)" e ":D" durante este tipo de conversa é claramente uma manifestação agressivo-passiva que, por ser passiva, não deixa de ser agressiva.

Margarida disse...

:)))

ok, vamos por partes e depois tenho mesmo que ir embora. Estudos? ok, existem estudos que "provam" que os canhotos vivem menos tempo que os dextros. Isto quer dizer que podes fumar e beber e até - imagina só - andar depressa na auto esrada que morrerei mais cedo que tu. Os estudos valem o que valem.

Depois o mundo sempre esteve podre e sempre existiram pessoas que diziam "ahhh o mundo agora é que está podre" mas repara, gastamos em agosto as reservas para 2010, há tipos que deitam fogo a florestas pelo gozo de ver arder e temos um gnomo que matou não sei quantas pessoas. claro, sempre existiram mas deixa-me queixar do que acho mal.

Quanto a acusar o lado masculino? directamente proporcional ao facto de ser do sexo oposto. Eu sei que deste lado existem queixas, raparigas que se queixam de que hoje em dia os homens ficaram diferentes, menos protectores e seguros (e eu tb acho), existem algumas bem bonitas que batem a cabeça com autenticos retardados medrosos completamente inseguros por causa do sucesso delas. e sei também (agora falando no mundo virtual) que os encontros fazem-se muito mais pela net do que pelo café. Metade do que aqui anda procura um www que possa gostar. O sexo já só é a conclusão da caça, da procura, importante mesmo é a fantasia do que pode acontecer (e a fantasia é sempre melhor do que a realidade) há pouco cheiro, pouco toque e pouco mimo. Também acho que as mulheres hoje em dia estão erradas na procura, culpa da disney e o camandro, por isso digo "esta tudo fodido", no entanto fui mal entendida, de certeza, deixa-me despedir-me com um :) ou :D que por mais que aches que seja agressivo passivo, a mim dá ligeireza e lembra que isto não é nada de importante.

T disse...

Se o estudos "valem o que valem" porquê a necessidade de justificar as tuas afirmações como estando "provadas" por estudos invisíveis?

Antes apedrejávamos pessoas em público por serem diferentes ou por nascerem com defeitos ou com trissomia 21.
Antes a nobreza tinha o direito legal de matar quem quisesse das classes baixas. Até há 36 anos atrás havia PIDEs a pontapear a barriga de mulheres grávidas com o apoio do estado, grande parte dos portugueses passava fome e não tinha dinheiro para andarem calçados, e cidadãos portugueses eram torturados por subscreverem a um ideal de liberdade.
Não me digas que as coisas estão cada vez piores e o mundo está a ir para o esgoto.

E se essa é a tua experiência pessoal com o sexo e a forma como os que te rodeia lidam com a sua sexualidade, lamento dizer-te mas precisas é de arranjar novas companhias. Não é por serem tendências da altura, é por serem das pessoas que tens tido o azar de conhecer.

Sesguidores