domingo, 22 de agosto de 2010

Carta de Protesto Cruzado

.
Exmo Sr. ou Srª. responsável pelas palavras cruzadas da edição do Público de hoje, nomeadamente a dita "Cruzadas 7444" de 22.09.10.

Apesar das longas e prazerosas sessões de frustração lexical que V.Exa e seus colegas me têm proporcionado, não posso deixar de protestar com a execução das palavras cruzadas em questão. Antes de mais, gostaria de saber como é que V.Exa espera que um modesto citadino como eu saiba qual o nome do "Peso antigo equivalente à quarta parte do quintal, ou seja, 23 arráteis e hoje arredondado em 15 quilos"? Julgo ser perfeitamente aceitável a completa ignorância do que é um arratél - atrevo-me até a sugerir que é uma ignorância desejável - e que antigamente se pesavam quintais em quartas partes. E não me interprete mal, eu nem era (muito) mau aluno a matemática, mas a inédita noção de "a quarta parte de um quintal" induz-me hoje em dia num abismo de fracções que prefiro evitar a todo o custo.

No entanto até este ligeiro contratempo seria, em qualquer outra situação, aceitável e negligenciavel. Não pretendo presumir que tenho um vocabulário ou um conhecimento do mundo tão vastos que me permitam responder ao desafio à primeira vez e sem qualquer dificuldade. O que me consternou, Exmo Sr. ou Srª, foi a primeira palavra da linha 7 horizontal: "Aquele que, entre os Alentejanos, instiga outro à briga".
Naturalmente, um homem de origem e vivência alentejana como eu, esperava à primeira leitura resolver rapidamente esta parte do quebra-cabeças, visto que mais do que uma vez testemunhei um alentejano a querer quebrar a cabeça de outro.

"Estúpido!" - pensei eu imediatamente. Letras a mais e seria, claro está, demasiado simplório para um puzzle de tal nível intelectual. Concentrei-me profundamente. "Provocador?" - pensei de seguida. "Não pode ser, letras a mais".
Decidi, Exmo Sr. ou Srª, que o termo simplesmente me escapava da mente de momento. Estava confiante de que em breve me ocorreria algo, nem que tivesse de primeiro preencher as palavras circundantes de forma a obter mais pistas. E assim foi, a verdade começou a tornar-se óbvia - a terrível verdade.
Exmo Sr. ou Srª., sinto-me profundamente ofendido por aquilo que, a meu ver, é a única palavra possível para resolver esta alínea. "Atiça".

"Atiça"?

Jamais, em todos os meus anos como alentejano, usei ou ouvi qualquer outro alentejano a usar tal expressão para "Aquele que, entre os Alentejanos, instiga outro à briga". Devo de forma indignada perguntar-lhe qual é, exactamente, o seu nível de conhecimento sobre a cultura alentejana. Ou está V.Exa a insinuar que os membros do dito nobre povo português se "atiçam" uns aos outros quais comuns animais ferozes?
Julgo que a escolha de palavras foi lamentável e desejaria que V.Exa estivesse mais atento a este tipo de erros no futuro.

Se V.Exa deseja expandir o seu conhecimento desta cultura, da mesma forma que eu tento resolver as palavras cruzadas de V.Exa para expandir o meu conhecimento da língua portuguesa, convido-o a comer uma açorda alentejana em minha casa e, quem sabe, instigar brigas que resultem em aprendizagem à base de cajado.

Atenciosamente,
T.

3 comentários:

Pirussas disse...

que texto tão educado! e bem construido sim senhor. pois, as diferenças de opinião por vezes ausam algumas rixas, mas somos humanos e é mesmo assim. se a senhora achar bem , vai vir responder aqui de certeza!

as aventuras de um empregado gourmet

http://ohpirussas.blogspot.com/

Pedro disse...

Gostei. E gostei do teu poder sobrenatural de tentar resolver palavras cruzadas que ainda não existem. Ainda não chegamos a Setembro (09). (E ainda bem.)

Ana 100 Sentidos disse...

Devias enviar a carta!

Sesguidores