quarta-feira, 29 de abril de 2009

Pensamentos Divergentes (nº47)

Os seus olhos vaguearam pelo quarto, sem destino.

Repousam agora no seu cansado reflexo, esbatido pela erosão de um dia ausente de paladar. Lembra-lhe as pétalas do seu Amor, em queda perpétua num cristal de tempo sólido, enterrado nas areias de mágoa que fluem na ampulheta da sua vida.

Tentou dizer algo a si próprio. Mas as palavras tombaram ao chão num batuque, após um frágil e trémolo bater de asa.

Oxalá ainda os veja

.
O R e a B deram-mos a conhecer:

.
E já sou fã.
.
Considero-os bem mais dignos de atenção que os Deolinda, que apesar de não serem maus sempre os achei sobrevalorizados.
.
Os O'questrada parece-me ser um projecto bem mais sofisticado, misturando música tradicional portuguesa e romena, possuindo ao mesmo tempo uma voz e melodia com um toque moderno reminescente a Entre Aspas.
.
Tenho de averiguar mais coisas sobre estes gajos, rapidamente.

Rabiscos (nº8)

.
Hoje sinto-me...

Assim.
.
.
E mais não sei dizer.

.

terça-feira, 28 de abril de 2009

And you owe me life

.
Se há coisa que gosto ao ouvir música e ao ver bandas que amo a tocar, é sentir um arrepio a percorrer-me o corpo todo.

Neste caso, neste vídeo, começou mais ou menos aos 2:20 min.

The Decemberists no programa Colbert Report de 27 de Abril de 2009
.

Foi das performances mais sentidas, mais dolorosas, que alguma vez vi.

Foda-se.

.
Still the wanting comes in waves.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº91)

.
"Ai que este meu ego é de louça e estou rodeado de touros bravos em pernas de pau."



P. S. - Não sei desenhar bovinos e não, não tenho vergonha.
.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº90)

Trabalhar pro bono, é a maior merda.

Sou "contra" voluntariados, mas só hoje me apercebi que é o que eu tenho estado a fazer nos últimos 6 meses.

Caralho.

Pais e filhos


Existe uma frase do antigo testamento que sempre me suscitou muito interesse.
.
"Os pecados do pai recaem sobre o filho"
.
Quando somos pequenos, consideramos que as entidades que cuidam de nós são divindades todo-poderosas. O mundo foi feito à medida delas, não à nossa.
Podem tudo.
Comandam tudo.
São os detentores de todo o conhecimento.
.
Até, claro, a adolescência.

É exactamente a desmistificação das figuras parentais que causa a rebeldia e a revolta às figuras de autoridade neste periodo de vida. Isso e a consciência de que, à medida que crescemos, começa-nos a servir a roupa deste mundo. Aos poucos, bem ou mal, tomamos-lhe as rédeas.
.
E acho que chega mesmo uma altura, no final da adolescência ou início da vida adulta, em que temos medo de nos tornarmos como os nossos pais. De cometer os mesmos erros, as mesmas imbecilidades. De começarmos a pensar da mesma forma.
De, no fundo, perder o sentimento único da juventude. Dizer adeus à Terra do Nunca e tornarmo-nos naquilo que mais desprezámos: adultos.
.
Isto poderia ficar por aqui se não fosse a psicologia indicar que nos transformamos realmente nos nossos pais.
Mais ou menos.
.
A verdade é que a perturbação dos pais passa para os filhos quase que por osmose. Herdamos as nossas disfunções, as nossas inseguranças e os nossos medos da primeira e mais forte relação que estabelecemos na vida. Esta foi determinada pelas disfunções, inseguranças e medos dos nossos pais que, por sua vez, herdaram o espólio dos seus pais e por aí adiante, num ciclo difícil (mas nunca impossível) de quebrar.
.
Os pecados do pai recaem sobre o filho.
.
.
Se deixarmos.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Oink-tchin

De repente, comecei-me a sentir muito cansado e febril. Estou com medo de estar a ficar doente numa altura em que não posso de forma alguma dar parte fraca, pois vou ter duas semanas de trabalho muito intensas. Não posso falhar, senão tudo vai dar merda.

Por isso, se mais alguém me disser "Vê lá se não estás com a gripe dos porcos" ou "Se calhar é a gripe suína", eu juro que parto tudo o que tiver à minha volta.

Aquele gajo a berrar no carro sozinho

Isto anda mau. O stress anda a apoderar-se de mim. Hoje discuti com a locutora de rádio enquanto estacionava o carro.

Rádio - Nesta mesma data, em 1989, jovens chineses reuniam-se na praça de Tinamen...
Eu - ... "TiAnanmen"! É TIANANMEN, BURRA! Foda-se! "TIANANMEN"!

He lives under a waterfall

No café

Eu - Uma das razões para ter parado de escrever e mostrar o que escrevia era porque... bem, as pessoas achavam-me estranho.
D - Sabes, desculpa a má notícia mas... ainda acham.
Eu - Está bem, mas são fases diferentes da minha vida. Agora isso não me preocupa tanto. Além do mais, eu construo toda esta personagem que mostro às outras pessoas (que apesar de tudo é faz parte do que sou) e que me dá maior segurança. Ficam a pensar "este gajo é um parvo qualquer que anda por aqui e não leva nada a sério". Mas um gajo não pode passar a vida toda a fugir de quem é.
D - É verdade.




I need to be myself
I can't be no one else
I'm feeling supersonic
Give me gin and tonic
You can have it all but how much do you want it?
You make me laugh
Give me your autograph
Can I ride with you in your B.M.W ?
You can sail with me in my yellow submarine

You need to find out
'Cos no one's gonna tell you what I'm on about
You need to find a way for what you want to say
But before tomorrow

'Cos my friend said he'd take you home
He sits in a corner all alone
He lives under a waterfall
No body can see him
No body can ever hear him call

You need to be yourself
You can't be no one else
I know a girl called Elsa
She's into Alka Seltzer
She sniffs it through a cane on a supersonic train
She made me laugh
I got her autograph
She done it with a doctor on a helicopter
She's sniffin in her tissue
Sellin' the Big Issue

She needs to find out
'Cos no one's gonna tell you what I'm on about
She needs to find a way for what she wants to say
But before tomorrow

'Cos my friend said he'd take you home
He sits in a corner all alone
He lives under a waterfall
No body can see him

No body can ever hear him call

Pensamentos Divergentes (nº46)

Cansava-lhe a vista de tão pouco viver,
E o tão pouco viver era cansaço de coração.
Ele prefiriria cegar e nessa cegueira renascer,
Como uma fénix de sombras a arrastar pelo chão.

Pensamentos Divergentes (nº45)

Para o D

Descansa da longa batalha que tens travado nesse longo mar,
Meu irmão de letras e de muito mais
Pois o que nos separa à nascença são bravas efemérides
susceptíveis a estrabismos banais.
E onde tu estás, já eu estive
e onde eu estive, também tu poderias estar.

O que interessa é que não andemos às arrecuas
E se o fizermos, que seja com novos sentidos e por novas ruas.

domingo, 26 de abril de 2009

Acho que o Google podia ser um pouco mais inteligente com a publicidade que escolhe

.

É que esta deixou-me um bocado surpreendido:


Bolas!



P.S. - Agora tenho uma versão barrasca da cabeça na música.

"Gosto de mulheres boas,
do seu paladar...
Gosto de mulheres boas,
ao almoço e ao jantar".

A sério, vão ouvir a música e substituam "sopa" por "mulheres boas". Faz muito mais sentido. E fica muito mais divertido.

Desta sopa gosto eu.

sábado, 25 de abril de 2009

"ciclo vicioso cigarro stress no homem como sair"

Entre os fumadores que conheço, tenho ganho a reputação de "Fumador de 100 tabacos". Isto porque vou variando entre marcas e estilos (tabaco normal, cigarrilhas de baunilha ou cereja, tabaco de mentol, etc).

Nem sempre foi assim. A minha antiga "marca de marca" era JPS Black. É especialmente barato e especialmente mau para os pulmões - tem uma maior concentração de nicotina, mas também de alcatrão.

Em alturas de maior stress/depressão, é frequente remeter para esse tipo de cigarros.

Ontem comprei um maço.

Brincar < Sopa

.
Por alguma razão esta música não me sai da cabeça.
Muitos de vocês lembrar-se-ão dela na Rua Sésamo.



Eu nem gosto assim tanto de sopa, não percebo porque é que estou tão viciado na música.

Além do mais, lembro-me de já em pequeno achar que o puto era irritante e que devia levar uma sova todos os dias. Pode não se meter nas drogas, mas este fetiche por sopa não é saudável.

E na cena em que ele corre da escola para casa para comer a porcaria da sopa, só me apetece estar lá para lhe pregar uma rasteira.

Fosga-se!
.
.
É que ele até tem uma camisola verde a dizer "Sopa"!
Valha-me Deus!

Foda-se! (nº17)

Ao fim de vários anos vou chegar ao fim de uma saga: encontrar uma consola Nintendo original (NES). O namorado da N ia livrar-se dela.

N - Mas não te importas que os comandos não estejam nas melhores condições, pois não?
Eu - Não não, claro que não.
N - É que... bem...
Eu - ...
N - É provavel que tenham marcas de dentes.
Eu - Ah, dentadas da cadela, não?
N - Não...
Eu - ...
N - É que... há uns anos atrás, a jogar com ele... quando perdia irritava-me muito e mordia o comando.
Eu - ...

Mais cravos...

É frequente, nesta altura, pensar que dentro em breve não restará ninguém vivo que tenha passado pela revolução de 25 de Abril.

Isso mete-me alguma tristeza, mas também me mete algum medo.

"Isso da PIDE, Tarrafais e o carago"

.
Acho que não dou o devido valor a esta data.

Penso que teria explodido de alegria, para apanhar uma puta de uma desilusão anos depois.

Para mais informações ouçam a FMI do José Mario Branco e pronto.

Feliz Dia Dos Cravos.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Desafio Quentes e Boas... mas sinto-me Frio e Mau

A Marie abriu o desafio ao público em geral e eu decidi arriscar.

1 - Qual a música que te dá vontade de fazer amor como se não houvesse amanhã?
Qualquer coisa de Chet Baker costuma funcionar. Pelo menos já funcionou...

2 - Qual a música que te dá vontade de meteres prego a fundo quando conduzes?
Qualquer coisa mexida de que eu goste.

3- A tua primeira vez foi boa, assim-assim, ou mázinha?
Boa.

4 - Para onde é que olhas logo quando conheces alguém?
Olho para muito lado. Tenho a mania de tentar captar o máximo de pormenores possível. Mas provavelmente olhos e boca, se tiver um sorriso bonito.

5 - O que é que ele/ela tem que fazer para que lhe saltes automaticamente para a espinha?
Nada de especial. Até espirrar basta.

6 - Qual a coisa mais romântica que já te fizeram?
Fosga-se, eu sei lá!

7 - Qual foi a coisa mais idiota que já fizeste sob o efeito do álcool?
Telefonar a uma paixão.

8 - O que é que é "música para os teus ouvidos"?
"Fode-me".

9 - Já alguma vez foste o(a) verdadeiro(a) sacana para alguém? Já despedaçaste algum coração em mil pedaços?
Consta que sou sacana todos os dias. Quanto a despedaçar um coração em mil pedaços, não sei se foram exactamente mil...

10 - Deixas o carro chegar ao fim da reserva, ou vais logo abastecer assim que entra na dita cuja?
Geralmente é quando entra na reserva.

11 - Vais sempre pelo mesmo caminho, ou já alguma vez tomaste o caminho mais longo para casa?
Já tomei muitas vezes o caminho mais longo. É bom para pensar.

12 - Qual o maior balde de água fria que já levaste na tua vida?
"Conheci outra pessoa".

13 - O que é que te tira os pés do chão?
A música... E as mulheres. Se as duas coisas estiverem ligadas, então...

Pequenas coisas de que gosto

Gosto de estalar os dedos dos pés quando me descalço. E gosto do impressão que isso provoca a algumas pessoas.

Gosto que a B venham comentar no meu blog às 7 da manhã antes de ir para a faculdade.

Gosto de relações em que as pessoas se picam e se tentam "vencer" umas às outras com retóricas parvas.

Gosto de falar de coisas nojentas quando as pessoas estão a comer.

Gosto que a K guarde desenhos parvos meus de há uma porradona de anos atrás.

Gosto do som de uma lata de coca-cola a abrir.

Gosto de ter miúdas giras a visitar o meu blog.

Gosto de ter gente interessante e que escreve bem melhor que eu a visitar o meu blog.

Gosto que Ela me traga um café quando me dá boleia de manhã, apesar de ser com a desculpa de ficar "insuportável sem café".

Gosto quando a minha Sobrinha me abraça com toda a sua força quando lhe pego ao colo.

Gosto de tocar guitarra à vontade com os headfones ligados ao amplificador.

Gosto de escrever sobre coisas insignificantes. Às vezes.

Googlices (nº4)

"ses de quem sou eu" - Pois. É aqui.

"coisas embaraçosas" - Acho que também é aqui...

"onde conhecer miudas" - Isso é facil... "onde conhecer miúdas porreiras" é que é mais difícil. E "onde conhecer miúdas que não sejam insanas", perto de impossível. Mas se as mulheres não fossem loucas, deixavam de ter piada.

"mulheres que nao sabem o que querem" - Essas também são fáceis de encontrar. Se estás com dificuldade, suponho que é porque nunca viste uma mulher.

"as melhore frases do mundo" - Não sei se são "as melhore" mas ali nos links podem-se encontrar umas muito boas.

"grandes mamalhudas" - É que... epá... 'tá bem. Só se andarem também ali algumas ali à direita, pronto. Mas não sei mesmo dizer.

"estado catatonico" - Acho engraçado isto vir parar ao meu blog quando estou cheio de trabalho e mal consigo ter um pensamento próprio. Quer dizer, acho engraçado mas não acho.

"sinais de um esgotamento nervoso" - Ui que isto preocupa-me ter vindo cá parar.

"ciclo vicioso cigarro stress no homem como sair" - Quem me dera saber

"ultima noiticia do planeta" - Erm... "Boom" ?

"signoficado de mundo hipotético" - Não sei mesmo.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

System Failure

Fatal error!

The application "Eu.exe" has failed and needs to be shutdown.

Please reboot.

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Mini-Sabática

Nos últimos dois tives estive a trabalhar sensívelmente 16 horas por dia. Com pausas de 1 hora para refeições.
Amanhã levanto-me às 7 e tenho sorte se não se repetir. Assim que tiver tempo e o meu cérebro recuperar, escrevo mais. É que hoje até me aconteceram muitas coisas giras, mas não estou capaz.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Pensamentos Divergentes (nº44)

.
Agrada-me apagar o cigarro em líquido. O seu último sibilar zangado ao mundo no momento em que a sua luz se extinguirá para sempre.

Sinto que também eu me irei embora dessa forma.

Conversa Parva (nº 13)

Ontem, no café. Estava a querer pagar à senhora no balcão, mas o H não me dava a moeda de 10 cêntimos que eu precisava. E a senhora à espera, ali, enquanto dois parvos discutiam.

...
Eu - Dá-me a moeda, vá.
H - Não.
Eu - Não me obrigues a lutar contigo por ela.
H - Qual é a tua arte marcial? Origami?
Eu - Faço-te num cisne, pá.

O que vale é que a senhora é simpática e bem-dispota. Eu não teria paciência.

Conversa Parva (nº 12)

No MSN, a falar com a K sobre o coração como símbolo do amor.

K - Não há um símbolo para o ódio porquê?
Eu - Acho que há um símbolo para o ódio.
Eu - Chama-se Morangos com Açúcar, acho.
K - Lol. Isso é um despertador de sentimentos, não é símbolo.
Eu - Olha que a mim só me desperta ódio.

Pensamentos Divergentes (nº43)

No carro comecei a cantar mais ou menos isto, de improviso, e o texto seguiu-se forma igual.
Não passa ainda de um rascunho, tal como eu.

Mãe, eu quero viver noutro mundo
Eu quero viver noutro mundo
Que os momentos felizes são tão poucos
E eu não consigo mais viver sem sentido
E os religiosos são cegos ou loucos
Ouço-os a cantar dos telhados do meu vazio

E a medicina não encontra o meu remédio
Só me resta a dor para rasgar o tédio
Das noites em que fico sem mim
É demais este homicídio assistido
E tu pensas que é suposto ser assim
Que a vida é uma sucessão de actos falhados

Fomos criados para ser gado do silêncio
Mas eu afogo-me no mar do que penso, ouço e digo
Assim me revivo, num espaço em que ofusco
A esperança de ser aquilo que mais odeio,
Ignorante, não pensante, mais vale assim e ser feliz
Do que ser renegado do meu próprio coração...

E as ofensas que já lhe fiz
São muito menos do que as que ainda serão.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

O gajo anda criativo

Hoje, ao fim de muito tempo (ou aquilo que eu considero muito tempo), voltei a pegar na minha guitarra e nos meus aparelhos e comecei a compôr algo novo.

Dentro de pouco tempo vou achar que está uma merda e vou acabar por desistir, mas quero aproveitar o quão bem me sinto por agora.

Há imenso tempo que não sentia este tipo de calma e satisfação. Relembrei um desenho que fiz há muitos anos atrás, quando também me sentia desta forma, e decidi refazê-lo.


Acho que as coisas mais belas são também as mais terríveis.
.

Ele é um gajo com quem se pode falar à vontade

.
N - Tu olhas para as pessoas de uma forma um bocado psicótica para as pessoas quando te estão a expôr problemas.
Eu - O quê? Mesmo em conversas normais?
N - Yah. Não tens um olhar meigo ou compreensivo, olhas para elas de uma forma estranha...
Eu - Como se as tivesse a analisar?
N - Sim, isso mesmo.
Eu - É porque estou mesmo... vejo demasiado as coisas como se fossem um puzzle.
N - Pois.

'Tou tramado, 'tou.

Várias coisas que gostaria de experimentar em casa

.
Because Science is awesome



.
.

.
.

.
.

.
.
Oh, shit!

Quero MESMO experimentar a última.

The gentleman is an egotist

.
Porque andámos às turras nos últimos dias.

Porque vimos isto juntos na televisão.

Porque Ela me acha convencido.

E porque eu A tenho na palma da mão.




She loves me, she loves me not
She loves me, she loves me not
She loves me, she loves me, she loves me
The lady loves me and it shows
In spite of the way she turns up her nose
I'm her ideal, her hearts desire
Under that ice she's burning like fire
She'd like to cuddle up to me
She's playing hard to get
The lady loves me, but she
doesn't know it yet

The gentleman has savoir-faire
As much as an elephant or a bear
I'd like to take him for a spin
Back to the zoo to visit his kin
He's got about as much appeal
as a soggy cigarette
The lady loathes him, but he
doesn't know it yet

The lady's got a crush on me
The gentleman's crazy obviously
The lady's dying to be kissed
The gentleman needs a psychiatrist
I'd rather kiss a rattlesnake
Or play Russian roulette
The lady loves me, but she
doesn't know it yet

She's falling fast, she's on the skids
Both of his heads are flipping their lids
Tonight she'll hold me in her arms
I'd rather be holding hydrogen bombs
Will someone tell this Romeo
I'm not his Juliet?
The lady loves me, but she
doesn't know it yet

She wants me
Like poison ivy
Needs me
Like a hole in the head
Everyone can see she's got it bad
He's mad!
The gentleman is an egotist
I'm simply aware I'm hard to resist
He's one man I could learn to hate
How's about having dinner at eight
I'd rather dine with Frankenstein
In a moonlight tete-a-tete
The lady loves me, but she
doesn't know it yet

Oh yes she loves me
Dig that shrinking violet
Oh she really loves me
Here's one gal you'll never get
She lo- lo- loves me
Would you like to make a bet
I said the lady loves me
The gentleman's all wet

domingo, 19 de abril de 2009

"O gajo 'tá masé maluco!"

A minha Sobrinha quer um pato verdadeiro como prenda de anos

Eu - Depois eu como o pato, pode ser?
Sobrinha - NÃO COMES NADA!
Eu - Mas pato sabe tão bem...
Sobrinha (já a fazer birra) - NÃÃÃÃO!
Pai - Ele está a brincar.
Eu - Sim, eu estava só a brincar. Não vou nada comer o teu pato.
Sobrinha - ... MALUCO!

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº89)

.
... Espera aí...


FODA-SE!!!

Sou eu.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº88)

..
Assim que tiver paciência, faço a barba.

Mas porque raios é que ela cresce com formato panasca à Joseph Fiennes no Shakespeare in Love?

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº87)

.
Não tarda, vou outra vez cortar o cabelo.


Estou farto de encontrar o Paul McCartney no espelho da casa-de-banho sempre que tomo duche.

Pequenos comentários em relação a notícias que estive a ler no Público Online

.
.
"Primeiro, o Presidente da República não referiu o nome de José Sócrates mas fez o discurso mais duro de sempre para o Governo. Ontem, o primeiro-ministro também não pronunciou o nome de Cavaco Silva mas fez questão de deixar claro que recebeu a mensagem de Belém. Nas entrelinhas, o chefe do Executivo defendeu que “o que o país não precisa é da política do recado, do remoque, do pessimismo, do bota-abaixismo, da crítica fácil”. "
.
Eu só quero aqui deixa escrito que eu sou fã do bota-abaixismo. Aliás, eu sou um bota-abaixista aférrimo em relação a esta gente toda.
.
E também sou bota-abaixista desta atitude de perder tempo com mesquinhices. E isto é dirigido tanto aos políticos como aos senhores do Público.

.
.
2 - Tecnologia pioneira de Coimbra permite controlar robô por ondas cerebrais
"Uma nova tecnologia que permite controlar um robô, a mais de 1500 quilómetros de distância, utilizando apenas ondas cerebrais e a visão, foi desenvolvida por cientistas portugueses e suíços e vai ser apresentada em Coimbra. (...) O cientista, na Suíça, “vê imagens de cá e reage lá”, interagindo com o robô “sem teclas, apenas através de ondas cerebrais”. "
.
Muito bem, é impressionante sim senhora. Mas avisem-me quando conseguirem aplicar a mesma tecnologia às mulheres, que é o que me faz mais falta. .

.
.
3 - D. José Policarpo partilha opinião do Papa e lembra que preservativo é falível
"O Cardeal Patriarca de Lisboa afirmou que o preservativo é falível, opinião que lhe foi transmitida por "responsáveis portugueses", comungando da opinião de Bento XVI de que não deve ser a "única maneira de combate à sida". D. José Policarpo, que admitiu ter pensado nesta questão nos últimos dias, disse ter mantido conversas com "responsáveis portugueses", que não identificou, que lhe confirmaram que o preservativo é um "meio falível". "
.
Eu cá acho é que o Sr. Zé Policarpo podia ir levar no cú, sem preservativo.
.
E de um muçulmano, de preferência.

Conversa Conjugal (nº24)

Juro que todas as mulheres são assim...

Ela - Podem ser coisas da minha cabeça, mas é isso que me passas. É essa a mensagem.
Eu - Pois. Não interessa o que eu digo, só o que tu imaginas que eu quero dizer. Foda-se.

Um gajo anda a ler artigos científicos e depois...

.
Não é senso comum, está mesmo estudado:

"Additionally, online communication may encourage more truthful exchanges; many people report a greater willingness to share thoughts and feelings online than they would in face-to-face situations (Lenhart et al., 2001; McKenna & Bargh, 2000) "
In Whitlock, Powers & Eckenrode (2006)
.
Acho que isto, infelizmente, se aplica ao meu blog e consequentemente a mim.

Nunca quero

Por MSN, com a J

Eu - Olhá, 'tá viva!
J - Claro q sim...
Eu - E 'tás boazinha?
J - Siiiim!! E tu?
Eu - Vou indo
J - Vais indo...
Eu - Apanhaste-me numa altura menos boa, só isso =)
Eu - Mas mudando de assunto, que contas?
J - Ok...se não queres falar disso...
Eu - Nunca quero.
J - Pronto...

Conversa Parva (nº 11)

A falar sobre testas com a B
.
B - ... Ao contrário de mim que tenho a testa gigante.
Eu - Não me lembrei disso. Eu também tenho testa grande, deixa 'tar.
B - Devias dizer "Tens lá agora a testa grande".
Eu - Ora... 'tás a ver? Este é o tipo de merda que é óbvia para toda a gente menos para mim. Eu dou respostas sinceras à criança.

I'm not jealous, Scarlett

.
Scarlett Johansson no filme The Spirit:

Eu juro, mas JURO, que com ela eu só queria ir beber um inocente cafézinho.

... Ou então um sumo natural, que sempre demora mais tempo a fazer e a beber. Mas era só mesmo isso, prometo.





I know you're born in 84
Half polish half danish
You started at 8 on brodway
You're a star

You don't believe in monogamy
I'm not jealous Scarlett
Will you mary me
All you've got you can like it
But what I am you will love it

You whisper at horses ears
I always found it exciting
I'm scared by spiders too
I never managed to blame you

I'll sell my mum
To be lost with you
Lost in Tokyo or anywhere else
I wish I'd been invited
At your party in Disneyland

You don't believe in monogamy
I'm not jealous Scarlett
Will you mary me
All you've got you can like it
But what I am you will love it

When I noticed for Jared Leto
I felt sad for 30 seconds
Oh, when I noticed
For Josh Hartnett
I prayed for 40 nights

You don't believe in monogamy
I'm not jealous Scarlett
Will you mary me
All you've got you can like it
But what I am you will love it

"Eles comem tudo e não deixam nada!"

.
Hoje no poker, estava a perder de forma vergonhosa.

Esta foi a forma que arranjei de chamar os meus parceiros de vampiros:



.
Acho que poker não era bem o que estava na mente do Zeca Afonso, mas ele não se deve importar.

Sobre a escrita

.
O Hugo fez-me pensar sobre o que é escrever:
.
"Escrever é esquecer! É a capacidade que se tem de simplesmente ignorar a vida, traçar doces gemidos que nos fascinam, que nos animam, que nos entretêm."
.
Mas o Hugo diz ainda que, no entanto, não simula a vida. E é aí que divergimos no processo de escrita.
.
Eu quero possuí-la, tê-la para mim. Quero consumi-la numa gula desproporcionada, para a poder parir num regurgitar de mim mesmo.
E é no espectro resultante dessa libertação criativa que se quebram universos de Ses; um número infinito de possibilidades descabidas ou não realizadas. Porque eu próprio, por vezes, não sei distinguir a realidade da ficção. Não sei onde eu começo e a fantasia acaba.
Por vezes, confundo-me a mim mesmo com todos estes Eu's Hipotéticos de realidades alternativas.
.
E por isso, este é O Mundo Hipotético dos Ses.

sábado, 18 de abril de 2009

Relógios que batem e outros que não

Tenho o mesmo relógio de pulso desde os 13 anos.

Foi o meu primeiro e único relógio da Swatch.

Ficou sem pilha há 2 anos. Como sou preguiçoso, tive este tempo todo sem lhe meter uma pilha e, como sou fiel, sem relógio no pulso.

Ontem solucionou-se o problema.
Tenho inveja do relógio. Gostava que os meus dilemas se resolvessem com uma simples troca de pilha ou com uma visita ao relojoeiro.

Como vingança, ainda não lhe acertei a hora. Mas não perco pela demora: o filho da mãe em breve irá começar a deixar a sua marca pálida no meu pulso.

Continuo sem rede


.
















Tenho mesmo de mandar esta coisa a arranjar.
.
(Ao menos a bateria, apesar de viciada, ainda funciona)
..

Pensamentos Divergentes (nº42)

.
O céu fantasmagórico, de tão carregado, pesa-lhe no peito como um tanque militar desbravando as fronteiras do sonho.
Procura previsivelmente, portanto, uma das suas drogas para suavizar o despotismo da sua amargura.

"O telemóvel que tentou contactar..."

.
....
Peço desculpa se não atendi.


Tinha o coração fora de rede.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Robôzinho Apaixonado

.


A Princesa e o Robô de 1983, uma longa-metragem do criador da Turma da Mônica, conta a história de um robô-soldado que, subitamente, ganha um "coração" e com ele sonhos, ambições e a capacidade de amar. Apaixona-se por uma princesa e luta por ela, mas tem o mundo inteiro contra ele.

Vá-se lá saber porquê, era uma das minhas cassetes favoritas quando era criança. Vi-a centenas de vezes.
Ainda hoje, ao rever algumas partes, sinto um especial pulsar no coração.
.

Conversa Conjugal (nº23)

.
Eu - As mulheres são todas iguais.
Ela - Pois são.
Eu - "Pois são"?! Estás a concordar?
Ela - Sim.
Eu - Ok...
Ela - Por isso é que tu gostas de todas.

Au.

Rabiscos (nº7)

.
Devo andar um pouco masoquista...


... Porque algo me diz que meter isto aqui ainda me vai causar alguma dor de cabeça.
.

Vá, não se ofendam.
.
E não me batam que eu não sou católico.

Já é moda, mas é giro à mesma

.
E parece que continua a pegar.

Agora é com a Leonor do Hiperbólicamente Falando.

Já agora, ajudem a moça se for possível Aqui.

Rabiscos (nº6)

.
Sinto-me um autêntico zombie.
.

Preciso mesmo de dormir.

Linkagens

Finalmente dei uma limpeza bem merecida ali aos links de blogs.

Retirei alguns desactualizados e coloquei muitos outros novinhos em folha. Mesmo assim não meti tudo o que poderia ter metido.

Façam o favor de visitar que há alguns que são, de facto, fenomenais (porque é que todos os blogs parecem ser melhores que o meu?).

quinta-feira, 16 de abril de 2009

So gay... but SO catchy...

.
O meu vício musical de hoje.

Ouvi no rádio, ficou na cabeça, e ainda não saiu.



Plaza - July the 1st 1984

Rabiscos (nº5)

. Tenho medo do que possa estar por detrás dessa porta.
.

Crise mundial

.
Foi-me recentemente trazido à atenção um problema muito grave que assola a juventude dos tempos modernos:

Ainda há gente que ouve Linkin Park.
.
.
O quê, Limp Bizkit também? A sério?
.
.
... Minha gente, a sério?

A minha ménage à trois de sonho

.
Pensei que isto só acontecesse nos filmes, mas realizou-se comigo.

Eu, bolachas húngaras, e café com "cheirinho".

Hmmm...

Parvoíce aos Quadradinhos (nº28)

.
.
Sim, Super-Homem. Mostra-nos o teu fantástico poder novo.

Lançar arco-íris da ponta dos dedos? Uau.

Qual será o grande segredo por detrás desse super-poder?
.
.
.
Agora, ao menos, está a um pequeno passo de sair do armário. Já é bom.

Pensamentos Divergentes (nº41)

.
Às vezes tenho saudades daquele profundo sentimento de vazio, mais intenso do que algo que alguma vez tenha sentido, afiado e incisivo.

Às vezes tenho saudades do niilismo que me fazia não crer em nada, e me dava portanto a liberdade para fazer tudo.

Às vezes tenho saudades de ter como única companhia uma janela aberta, a noite, um caderno e uma caneta... e esquecer o resto do mundo.

Às vezes tenho saudades dos momentos de delírio e alucinações que davam a todas as pequenas coisas um significado mais profundo e místico, fazendo-me acreditar que era quem não as via da mesma forma que estava a delirar.

Às vezes tenho saudades do álcool, das drogas e do sexo vazios de significado compreensível, mas repletos de mágoa.

Às vezes tenho saudades de descobrir o quanto posso sofrer e o quão baixo posso descer.
.
.
Mas é só às vezes.

I'll use something else

E porque hoje me embebedei com 0,5 litros de cerveja e meia garrafa de espumante, aqui vai uma música que explica bem a minha relação com o álcool.

Cheers, lovely people!


Alcohol - Barenaked Ladies

Alcohol, my permanent accessory
Alcohol, a party time necessity
Alcohol, alternative to feeling like yourself
Oh alcohol I still drink to your health

I love you more,
Than I did the week before
I discovered alcohol

"That's what I?m talking about"

Forget the cafe lattes,
Screw the raspberry iced tea
A Malibu and Coke for you
A G and T for me

Alcohol, your songs resolve
Like my life never will
When someone else is picking up the bill

I love you more
Than I did the week before
I discovered alcohol

Oh alcohol,
Would you please forgive
For while I cannot love myself
I'll use something else

I thought that alcohol
Was just for those with nothing else to do
I thought that drinking just to get drunk
Was a waste of precious booze

But now I know that there's
A time and there's a place where I can choose
To walk the fine line between self-control and self-abuse

I love you more
Than I did the week before
I discovered alcohol

Would you please ignore
That you found me on the floor
Trying on your camisole

Oh alcohol,
Would you please forgive me?
For while I cannot love myself
I'll use something else

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Flashbacks de Conversas Passadas (nº8)

Já tenho o cabelo bem mais comprido. Em frente ao espelho comecei-me a lembrar...

Colega - Tu não usas gel ou assim?
Eu - Às vezes. Porquê?
Colega - Com esse cabelo, parece que acabaste de te levantar da cama.

E noutra vez...

Fotógrafa - Não se quer pentear primeiro?
Eu - Eu já estou penteado.
Fotógrafa - Ah...

E ainda com um colega meu a tirar fotos...

Colega - Penteia-te, pá! Já viste a figura com que ficas na fotografia?
Eu - Mas... eu estou penteado...
Colega - Foda-se!

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº86)

Em relação a uma rapariga bem gira e bem simpática

Eu - Nunca pensei gostar tanto do sotaque açoreano.
Colega - Ela é madeirense.
Eu - Nunca pensei gostar tanto do sotaque madeirense.

Se calhar devia ver mais televisão

.
Sempre ia aprendendo mais algumas coisas sobre o funcionamento das "pessoas normais".

A sair de casa apanhei um anúncio na SIC, sobre uma telenovela juvenil a Rebelde Way. No final diziam "Segue o teu caminho; vê a Rebelde Way". Que está a um ligeiro passo de dizer "Segue o teu caminho; mas faz o que te dizemos". E a outro passo ainda de "Segue o teu caminho; que será aquele que nós te dissermos".

Faz-me confusão como é que há mentes jovens que não captam esta mensagem contraditória e não se apercebem que há algo que querem fazê-los acreditar.

No entanto não tenho grandes razões para me estar a preocupar com isto... não sou propriamente um anti-consumista aférrimo (leia-se "comunista"), nem estou naquela idade em que toda esta tentativa de manipular as inseguranças da adolescência me irritam a nível pessoal.
Se calhar é porque tenho uma sobrinha pequena, que um dia irá passar por estas lavagens cerebrais. Ou se calhar é porque a irmã mais nova da minha namorada já está sujeita a todo este mundo.

Ou talvez seja antes "Se eu acreditar que a culpa dos putos me irritarem é da televisão, não tenho de pensar que a razão é eu estar a ficar mais velho".
Mas já quando era puto, a malta da minha idade irritava-me profundamente, por isso não sei.

Coisas que me andam a incomodar nisto de ser blogger

.
1 - Porque é que a maior parte dos "espectadores" do meu blog é mulher?

Hipóteses:
... 1 - Porque escrevo coisas de gaja (sentimentos e lamechisses do género);
... 2 - Porque nunca falo de futebol;
... 3 - Porque a maioria das pessoas com blog são mulheres;
... 4 - Porque sou um homem extremamente cativante (apontou ele, ironicamente).

2 - Acho que já simpatizo mais com algumas pessoas das quais só conheço o que leio no blog delas, do que com pessoas que conheço na vida real.

E isso não é normal.

3 - Tenho "medo" de escrever algumas coisas porque há pessoas a ler, e para além de já me sentir exposto, sinto que serão feitos juízos de valor.

E isso é estúpido.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº85)

.
Às vezes sinto que tudo o que faço ainda é para tentar impressionar a minha 1ª namorada, como quando era puto.

Mais alguém se sente assim?

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº84)

.
"Está um dia tão feio e chuvoso, tenho mesmo de ir trabalhar?"


Nestes dias só me apetece ficar em casa a ler um bom livro.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Comida e primeiros sinais de um esgotamento nervoso

.
Hoje, sozinho, à hora do almoço, a fazer a minha comida

A tirar o prato e os talheres comecei: "A merda é que quando sou eu a falar com as pessoas... Porque é que estou a falar sozinho, em voz alta?"... e continuei.


Há pouco, a preparar o jantar

Deixei cair a tampa do tupperware em cima do puré de batata, olhei para a tampa e disse "VAI P'RÓ CARALHO!".


Isto 'tá mau...

Não sei a quantas ando

Tive o dia todo a andar de um lado para o outro a fazer recados, e estou de rastos. Agora vou descansar, mas primeiro:

Colega - Aquela rapariga com quem 'tava a falar namora com o *****
Eu - Quem?
Colega - O ex da ***.
Eu - Mas... a sério? Eles já não namoram?
Colega- ... Há bué! Não sabias?
Eu - Eu não...

Colega - Com que então... tu não sabes da vida amorosa das pessoas que conheces...
Eu - Eu? Eu às vezes nem sei da minha, quanto mais dos outros.

E

Alguém sabe onde posso arranjar ecstasy?

É que anda complicado eu fazer tudo o que tenho para fazer.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº83)

No carro, a ouvir rádio, e a pensar sobre a música em geral.

"Eu só queria criar uma música que fizesse o planeta inteiro entrar em orgasmo, é pedir muito?"

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Lista de coisas que eu devia mudar em mim, e razões pela quais não o faço

Peguei numa cerveja e decidi apontar isto. Pode ser que me ajude a pensar sobre o assunto, e traga algumas coisas à luz.
.
1 - Torno-me num monstro quando fico sem nicotina no sistema
Ontem passei quase 24 horas sem fumar e fiquei extremamente rabugento e desagradável. Praticamente tudo o que Ela fazia me irritava, deixando-me cheio de nervos. Quando finalmente desisti de resistir ao tabaco e fumei, fiquei mais calmo e de melhor humor.
Ora, podia deixar de fumar. Mas o problema não é eu ser viciado em nicotina, o problema é que gosto mesmo de fumar. Eu se passar 3 dias sem tabaco fico "limpo", mas passa-se algum tempo e pela companhia e/ou pelo ambiente (que geralmente envolve música) acabo por querer puxar de um cigarro. Mas geralmente é quando tenho maior stress na minha vida que preciso de fumar... foi por isso que há uns anos quebrei um "celibato" de 6 meses.
A solução seria: "menos stress = fumar menos = menos necessidade de fumar = mais saudável".
A merda é que eu sinto-me constantemente stressado. Por isso fumo. E como o fumar me acalma, também não desenvolvo outras formas de lidar com o stress, e caio neste ciclo vicioso.
Foda-se.
.
.
2 - Fico incapaz de funcionar se não beber café
Não vou deixar de beber café, foda-se. Não quero. Esta é uma droga que me vai acompanhar até aos meus últimos dias e pronto.
.
.
3 - Tenho demasiada necessidade de fazer coisas soberbas
O problema é que sou muito exigente comigo próprio. Deixo de fazer as coisas porque não correspondem ao meu nível de exigência. Além do mais, a falta de auto-estima faz com que eu ache que tudo o que eu faço é merda, e acabo por deprimir.
Como é que soluciono isto? Não sei, vou fazendo o que fiz sempre; tentar lutar contra isso. Se calhar não tenho é feito um trabalho tão bom quanto isso...
.
.
4 - Estou aqui a olhar para a cerveja...
Se calhar isto também é um problema. Devia deixar de usar o alcóol como uma ferramenta, um meio para atingir um fim.
Ah, foda-se, mas é tão mais fácil assim...
.
.
5 - Ser mais atento aos outros
Fico demasiado preso no meu mundo e nos meus próprios dramas existenciais. E depois consideram-me anti-social por estar constantemente distraido ou abatido.
Devia mesmo mudar isto, mas não sei como. E se calhar este blog só contribui para o problema.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº82)

Há mulheres para todos os gostos.

Há mulheres que são amargas como o vinagre.

Há outras que são doces como o açúcar.

Há ainda outras mulheres que são mais como adoçante sintético, e mesmo assim têm muita procura.

Já eu, procuro mais mulheres que... como se chama aquele açucar ácido que metem nas goluseimas, que parece que efervesce na boca?




P.S. - Para quem possa não perceber a referência aos adoçantes sintéticos:

"Os adoçantes sintéticos são utilizados para substituir a sacarose e devem consumir-se moderadamente. O seu abuso compreende riscos que não devem ser subestimados.
O inconveniente mais frequente é a sua propriedade de falsear o gosto dos alimentos. Satisfazem artificialmente o gosto inapto para o açúcar, produzindo a falsa impressão de poder abusar dos alimentos que o contêm
"

E eu conheço tantos adoçantes sintéticos...

domingo, 12 de abril de 2009

Era suposto estar aqui outra coisa

Estive 7 minutos a escrever um texto para colocar neste blog.

A meio, acobardei-me e desisti. E nem sei bem porquê.

Agora, não sei o que escrever.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº81)


Às vezes sinto-me um tarado, um pervertido.
.
E às vezes gosto de me sentir assim.

That river's flowing

.
Correndo mais uma vez o risco de ser lamechas, esta música lembra-me a relação que Eu e Ela temos.

Um dia destes Ela vai-me fazer mais falta do que aquilo que consegue imaginar.



In this proud land we grew up strong
We were wanted all along
I was taught to fight, taught to win
I never thought i could fail

No fight left or so it seems
I am a man whose dreams have all deserted
I've changed my face, i've changed my name
But no one wants you when you lose

Don't give up
'cos you have friends
Don't give up
You're not beaten yet
Don't give up
I know you can make it good

Though i saw it all around
Never thought i could be affected
Thought that we'd be the last to go
It is so strange the way things turn

Drove the night toward my home
The place that i was born, on the lakeside
As daylight broke, i saw the earth
The trees had burned down to the ground

Don't give up
You still have us
Don't give up
We don't need much of anything
Don't give up
'cause somewhere there's a place
Where we belong

Rest your head
You worry too much
It's going to be alright
When times get rough
You can fall back on us
Don't give up
Please don't give up

'got to walk out of here
I can't take anymore
Going to stand on that bridge
Keep my eyes down below
Whatever may come
And whatever may go
That river's flowing
That river's flowing

Moved on to another town
Tried hard to settle down
For every job, so many men
So many men no-one needs

Don't give up
'cause you have friends
Don't give up
You're not the only one
Don't give up
No reason to be ashamed
Don't give up
You still have us
Don't give up now
We're proud of who you are
Don't give up
You know it's never been easy
Don't give up
'cause i believe there's a place
There's a place where we belong

Sinal nº 25 de que és ateu (ou agnóstico) e estás em minoria

.
É dia de páscoa, e se não fosse por ter lido isso num blog não tinha dado por nada. Foda-se.

Bem, de qualquer forma deixo-vos com uma mensagem festiva do Kris Wilson.


sábado, 11 de abril de 2009

Sobre Homens e Ratos

Anda por aí muita cobardia.

E eu, como toda a gente, queria ser diferente de toda a gente. E só esse desejo faz de mim "mais um".

E eu tento mesmo ser mais corajoso, mas às vezes não consigo.

Sou mais um.

"Está-me cá a parecer que estou tramado"

(Cliquem para ver maior)

Ando a tentar derrotar monstros grandes demais.

Só me resta vestir a armadura, armar-me com palavras afiadas, defender-me com um escudo de lógica, e desejar o melhor.

E só para prevenir, olear bem a parte de baixo da armadura não vá ser preciso bater em retirada.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº80)

.
Há mulheres que mordem quando falam.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Porquê esta necessidade de me sabotar a mim próprio?

Cheguei a casa há 15 minutos e desde aí já tive vontade de compôr uma música que me surgiu na cabeça, fazer um desenho, e escrever um texto.

A resposta a cada uma das três foi "Não, deixa estar..."

E não se trata de preguiça.

Tenho medo que eu esteja a fazer este tipo de coisas de propósito para amanhã poder deprimir por não fazer nada de jeito.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Isto realmente é uma daquelas coisas das quais eu devia saber a opinião de todas as mulheres que conheço

A aparar a barba em frente ao espelho da casa-de-banho enquanto a minha Sobrinha ficava de molho na banheira.

Sobrinha - Que estás a fazer? Estás a fazer a barba?
Eu - Sim, mas é só um bocado.
Sobrinha - O meu pai também costuma fazer a barba.
Eu - Eu sei. Eu é que faço menos vezes... Gostas mais de ver o tio com barba ou sem barba?
Sobrinha (sem hesitar) - Sem barba.
Eu - Achas que fico mais giro sem barba, é?
Sobrinha (novamente, sem hesitar) - Sim.
Eu - Hm...

Pensamentos Divergentes (nº40)

.
Tenho pensado em todas os amores, paixões e amizades que tive e perdi nos últimos anos.

Tenho passeado pelo ocenário da minha vida, relembrando momentos e pessoas encerradas num momento do passado, presos por trás de um vidro espesso... "É só para ver, não é para tocar".

E por vezes o vibrar do coração é tão forte que desejava poder inundar de uma vez por todas o mundo com o que tanto ameaça transbordar em mim e jorrar do meu peito.

É quase como o instante precedente ao orgasmo, no qual desejamos poder libertar logo aquela sensação. Para flutuar num espaço qualquer exterior a nós, mas em nós mesmo assim.

Eu não sou mentiroso, porra

Eu disse que hoje ia ter mais tempo. Pois disse.

E eu até já estava a contar com ter trabalho.

Não contava era com fazer de babysitter.

Conversa Parva (nº 10)

Tivémos a jogar poker até agora. Durou imenso tempo e depois do D se ir embora e o R perder, ficámos a jogar só Eu e Ela enquanto que o R era o dealer, possuindo o baralho e uma ficha dizendo "Dealer".
O cansaço e o sono começaram a afectar-nos a cabeça e riamo-nos de qualquer parvoíce como se tivessemos fumado erva. O R ficou particularmente afectado.
.
R - Vá, agora eu fico como dealer e vocês ficam a jogar, pronto.
Eu - Ok, mas tens de meter a ficha do dealer na testa e dizer coisas à Dr. Manhattan (dos Watchmen), mas que se apliquem ao jogo.
R (metendo a ficha na testa) - Ok... mas agora não me lembro de nenhuma citação dele.
Eu - Sei lá... Olha, "Only what can happen, does happen".
R - Ah.
.
5 minutos depois
.
Eu - A ficha ainda não te caiu da testa? Fantástico.
R (convicto) - I'm Dr. Manhattan. Everything just happened.
Eu - ... What?
(Explosão de risos)
.
10 minutos depois
.
Ela (colocando uma ficha na mesa) - Eu cubro a tua aposta.
Eu (colocando outra) - Então eu subo.
R (atirando a ficha do dealer) - Eu também.
Eu & Ela - ...
(Explosão de risos)
.
2 minutos depois, mostrando o jogo
.
Eu - Tenho um par.
Ela - Eu não tenho nada.
R (segurando o resto do baralho) - Eu tenho tudo.
Eu & Ela - ...
(Explosão de risos)
.
10 minutos depois
.
Ela - Ganho eu, faço 3.
R - Ménage à trois.
Ela - É um trio, não é?
R - Ménage à trois.
Eu - Diz-se triplo, acho.
R - Ménage à trois.
Ela - Ah pois, triplo. Estava na dúvida... E vê lá se queres dizer mais uma vez, R.
R - O quê?
Eu - "Ménage à trois". Tavas só a repetir isso.
R - Ménage à trois.
.
Ai que eu agora tenho é de me ir deitar...

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Older

.
Com os aniversários é impossível não me lembrar desta música e pensar em tempo desperdiçado.
.
Não encontro é o vídeo ou a música originais disponíveis na net... Mas aqui fica o mais próximo que arranjei.

You're older than you've ever been.
And now you're even older.
And now you're even older.
And now you're even older.

You're older than you've ever been.
And now you're even older.
And now you're older still.

TIME! Is marching on.
And time.. is still marching on.
This day will soon be at an end and now it's even sooner.
And now it's even sooner.
And now it's even sooner.
This day will soon be at an end and now it's even sooner.
And now it's even sooner.
And now it's sooner still.

You're older than you've ever been.
And now you're even older.
And now you're even older.
And now you're even older.

You're older than you've ever been.
And now you're even older.
And now you're older still.

Prometo que

.
Em breve começarei a escrever mais. Agora tenho tido uma vida algo caótica, mas tenho de escrever algo para uma revista da minha universidade (ainda não sei bem o quê), e amanhã já terei mais tempo.

O Aniversário correu bem. Pude estar com uma irmã que não via há 2 anos, o jantar foi super porreiro e a companhia também. Ah, fizeram-me umas surpresas fixes, depois mostro fotos.

Bye.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Ai que ele agora anda armado em artista...

.
Só para avisar que criei uma conta na Aula Magna, onde coloco textos e desenhos.

Se tiver alguma coisa decente, publicam-na na sua revista.

"Yay" ?

Conversa Conjugal (nº22)

Deitados na cama, a conversar

Ela - 'Tás-me só a destapar! Não me destapes!
Eu - Desculpa, estou-me só a ajeitar.
Ela - Epá...
Eu - Espera...
Ela - Destapaste-me outra vez!
Eu - Não tenho culpa! Tu é que és muito destapável!

Conversa Conjugal (nº21)

.
Eu - Continuas a gostar de mim, apesar de estar a ficar um velhadas?
Ela - Tu? Estás a gozar? Com cada ano que passa parece que ficas mais jovem. Comportas-te cada vez mais à puto. Eu nunca te vou ver velho.

What's my age again?

É oficial.

Agora tenho 23 anos.

A outrora juventude dos 22 anos já parece distante, e mais do que nunca identifico-me com esta música.
.
Vou ouví-la o dia todo e beber umas jolas.

Cheers.


Whats My Age Again - Blink 182

I took her out it was Friday night
I wore cologne to get the feeling right
We started making out and she took off my pants
But then I turned on the TV
.
And that's about the time that she walked away from me
Nobody likes you when you're 23
And are still more amused by TV shows
What the hell is ADD?
My friends say I should act my age
What's my age again?
What's my age again?
.
Then later on, on the drive home
I called her mom from a pay phone
I said I was the cops
And your husband's in jail
This state looks down on sodomy
.
And that's about the time that bitch hung up on me
Nobody likes you when your 23
And are still more amused by prank phone calls
What the hell is caller ID?
My friends say I should act my age
What's my age again?
What's my age again?
.
And that's about the time she walked away from me
Nobody likes you when your 23
And you still act like you're in Freshman year
What the hell is wrong with me?
My friends say I should act my age
What's my age again?
What's my age again?
.
That's about the time she broke up with me
No one should take themselves so seriously
With many years ahead to fall in line
Why would you wish that on me?
I never want to act my age
What's my age again?
What's my age again?

domingo, 5 de abril de 2009

Parvoíce aos Quadradinhos (nº27)

.

Erm... Quikie?
.
Mas... o que é que... Eu...
.
Mas o...
.
Desisto.

Acho curioso que

.
Desde que comecei a escrever neste blog que passei a compôr músicas em português em vez de inglês.

sábado, 4 de abril de 2009

Oh, you mad romantic russians!

.
Acho que simpatizo com estes estereótipos russos do final da década de 50.



A propósito, não chamo alguém de "fascista" tão frequente e casualmente como deveria. Vou tentar corrigir isso.

E para a próxima vou usar a estratégia do "You! Come here."

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº79)

.
Estou a tentar resistir à tentação de experimentar beber uma cerveja enquanto tomo banho...

Um gajo não pode beber umas cervejas...

Estava atrasado para a hora combinada para o café, e o D telefonou-me.

Eu - Alô-alô!
D - Então pá?
Eu - Olha, estamos mesmo mesmo mesmo quase a chegar. Estamos a uma distância igual à distância entre dois quarks.
D - O quê?
Eu - Quarks... Partículas subatómicas... Mais pequenas que os protões e os neutrões...
D - ... Estiveste a beber?
Eu - Por acaso estive.
D - Ah.

Isso digo eu há anos!

Houve um título de notícia no Público Online que me fez rir:

"Justiça: ordem dos advogados diz que não é possível viver neste estado de ambiguidade"

É sobre o caso Freeport, mas prefiro pensar que é um comentário sobre a vida em geral. Assim fico contente por alguém ter finalmente dado um tom mais oficial ao óbvio.

Rabiscos (nº4)

Um dos meus maiores pesadelos, consequência de jogar muito computador desde uma tenra idade.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

A minha sobrinha é também a minha psicoterapeuta

Com a minha Sobrinha, a brincar com um boneco de um jogador de golfe, oferecido por uma ex-namorada minha há muitos anos.

Sobrinha - Deixas-me levá-lo?
Eu - O quê, para casa?
Sobrinha - Sim.
Eu - Preferia que não.
Sobrinha - Porquê?
Eu - Porque é especial para o tio.
Sobrinha - Porquê?
Eu - Porque foi oferecido por alguém que gostava muito de mim.
Sobrinha (a mexer na bola de golfe) - E porque é que tem aqui esta bola?
Eu - Porque é assim mesmo... (e entre os dentes continuei) É para compensar as duas outras bolas que ela me levou.
Sobrinha - Levou-te duas bolas?
Eu (foda-se, ouviu-me) - Erm... sim.
Sobrinha - Emprestaste?
Eu - Mais ou menos...
Sobrinha - Ficaste chateado?
Eu - Sim, na altura fiquei. Mas já passou.
.
Eu - ... Vá, leva o boneco para casa. Trazes-mo depois.

N + O = NO!

.
Ela diz que eu danço assim:
.
.
. . .
.
E eu acho genial.
.
.
.
MULA!

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº78)

.
Ler banda-desenhada de super-heróis por alto, enquanto ébrio, é muito bom.

Coisas Que Um Gajo Coiso (nº77)

Hoje era bem capaz de acabar com toda a felicidade líquida que tenho guardada no frígorífico.

Vai mais uma cervejinha.

Cheers.

É desta que eu desisto da humanidade em geral

.
Ai é, é.

Devia andar sempre com rebuçados, eu

Decidímos deixar os nossos avós sozinhos um bocado. Fui ajudar a minha Irmã a fazer uns recados, nomeadamente comprar uns livros. Na primeira livraria...
.
Irmã (em alto e bom som) - Fogo, não há aqui nada de jeito! São sempre os mesmos livros, as pessoas não marcam a diferença.
Eu - Uh...
Irmã - Isto assim não vale a pena, prefiro ir à outra livraria.
Eu (baixinho) - Porque é que estás a falar tão alto?
Irmã - É de propósito para ouvirem, para perceberem que deviam fazer diferente em vez de serem iguais aos outros todos só porque se vende mais.
.
Então lá fomos à outra livraria.
.
Eu - Pois, está fechada. Já desconfiava.
Irmã - Bolas, pá!
Eu - Agora tens de voltar à outra, é bem feita. E agora entras tu e eu fico à espera cá fora.
Irmã - Está bem, está bem.
.
Acabei por entrar quando ela estava no balcão a pagar 2 livros à Dona da livraria.
.
Irmã - Posso tirar aqui um rebuçado?
Dona - Pode, pode. Eles estão mesmo aí para adoçar a boca dos clientes.

"Aqui, na minha cara"

O meu Avô tem Alzheimer avançado e finalmente a minha Avó deixou de poder cuidar dele. Fui com a minha Irmã levá-la a visitar o velho ao lar.
.
Avó - Então, sabes quem eu sou?
Avô - Hm?
Avó - Sou a ****, a tua mulher.
Avô - Ah! Ó, minha querida...
Avó - Meu querido...
.
5 minutos mais tarde
.
Avó - Sabes quem sou?
Avô - Tu?
Avó (acariciando-lhe a face) - Sou a ****.
Avô - Ah, já cá estás?
Avó - Já cá estou onde?
Avô - Aqui, na minha cara, não estás a ver?

Respostas ao Dia das Mentiras

.
Fiz um mini-concurso no dia das mentiras.
.
E... peço desculpa mas uma das mentiras era existirem 3 mentiras. As coisas não são bem assim...
Podia mascarar as coisas com um faceta filosófica, dizendo que não acredito numa verdade absoluta e que é tudo relativo e temos de estar atentos a isso. Mas a verdade é que sou mesmo um cabrão.
.
Ela foi quem esteve mais próxima de acertar.
.
.
1 - Odeio violência física e nunca andei à porrada, chegando a ser agredido sem ripostar.

Verdade mas Mentira. É verdade que odeio violência física, acho que o único lugar que tem é em filmes e jogos de computador. E também é verdade que já cheguei a levar porrada sem devolver, em parte por ser contra a violência, mas em parte também por cobardia. No entanto não posso dizer que nunca andei à porrada, mesmo que tenha sido só uma ou, dependendo a quem perguntarem, duas vezes.
.
-

2 - Tenho aversão a traças (sim, traças).

Verdade. Atenção que é "aversão" e não medo. Não fujo a correr de uma sala quando vejo uma traça, simplesmente não gosto delas e elas sabem que eu não gosto delas. Mas sim, é verdade... pois...

.

3 - Em miúdo, lí o dicionário.

Verdade mas Mentira. Tecnicamente é verdade, mas não me lembro se acabei de ler ou se fiquei só a meio.

.

4 - Uma vez, bêbedo, meti-me em cima do capô de um amigo meu enquanto ele conduzia.

Verdade, e é tudo o que tenho a dizer sobre o assunto.

.

5 - A única vez que fiz um eletrocardiograma foi com 18 anos, com uma médica jovem toda gira, e não conseguia parar de rir porque as ventosas faziam-me cócegas.

Verdade, aspas idem.

.

6 - Não sei dizer, ao certo, com quem perdi a virgindade.

Verdade mas Mentira. E não, não vou explicar.

.

7 - Em adolescente, numa passagem de ano, entrei em coma alcoólico.

Mentira. Não entrei em coma alcoólico. Quase quase, mas não entrei.

.

8 - A única vez que fui assaltado, não tinha dinheiro. Fiquei de conversa com o assaltante durante 30 minutos, e ele levou-me o telemóvel mas deu-me 20 euros em troca.

Verdade. Chamava-se João. Dei-lhe o último cigarro do meu maço e despedimo-nos com um passobem. A primeira coisa que fiz com os 20 euros foi comprar um novo maço, para fumar o nervosismo (havia a ameaça de uma pistola), e um bilhete de cinema.

.

9 - O número de guitarras que tive é igual ao número de namoradas que tive.

Verdade, e poderá ser uma verdade que diz algo sobre mim, só não sei o quê.

Should have stayed a great unknown

Independentemente da orientação religiosa, pressuponho que é mau sinal quando nos identificamos com Judas.

Talvez não seja bem isso que sinto. É mais como se Judas fosse uma grande parte de mim a falar para outra pequena. Mas também não é exactamente isso.

E não me apetece entrar em detalhes, nem explicar o que o despoletou. Se quiserem perceber melhor tomem atenção à letra.





My mind is clearer now
At last, all too well, I can see
Where we all soon will be
If you strip away
The myth, from the man
You will see
Where we all Soon will be

Jesus!
You've started to believe
The things they say of you
You really do believe
This talk of God is true

And all the good you've done
Will soon get swept away
You've begun to matter more
Than the things you say

Listen Jesus,
I don't like what I see
All I ask is that you listen to me
And remember
I've been your right hand man all along
You have set them all on fire
They think they've found the new Messiah
And they'll hurt you when they find they're wrong

I remember when this whole thing began
No talk of God then, we called you a man
And believe me
My admiration for you hasn't died
But every word you say today
Gets twisted 'round some other way
And they'll hurt you if they think you've lied

Nazareth, your famous son
Should have stayed a great unknown
Like his father, carving wood,
He'd have made good
Tables, chairs and oaken chests
Would have suited Jesus best
He'd have caused nobody harm
No one alarm

Listen Jesus, do you care for your race?
Don't you see we must keep in our place?
We are occupied
Have you forgotten how put down we are?
I am frightened by the crowd
For we are getting much too loud
And they'll crush us if we go too far
If we go too far

Listen Jesus to the warning I give
Please remember that I want us to live
But it's sad to see our chances weakening with every hour
Your followers are blind
Too much heaven on their minds
It was beautiful, but now it's sour
Yes it's all gone sour
Ah --- ah ah ah --- ah
God Jesus, it's all gone sour

Listen Jesus to the warning I give
Please remember that I want us to live
So come on, come on... he won't listen to me.
Ah --- ah
Come on, listen, listen to me.
Come on and listen to me.
Ah --- ah

Conversa Conjugal (nº20)

Depois de ver o filme Marley & Me

Eu - Vá lá, correu melhor do que pensava. Pensei que entrasses num pranto, mas só choraste um bocadinho.
Ela - Não gozes comigo, estúpido. E tu também te emocionaste, que eu vi.
Eu - ... Não.
Ela - Emocionaste sim!
Eu - Tu sabes que eu não me emociono.
Ela - Prometes que não te emocionaste com o filme?
Eu - Prometo.
Ela - Prometes pela minha vida?
Eu - Prometo.
Ela (chocada) - ... Olha que estás a prometer pela minha vida, é muito sério!
Eu - Sim, eu prometo.
Ela - ... És um insensível.
Eu - Pois sou.

Mudei de canal e descruzei os dedos.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Flashbacks de Conversas Passadas (nº7)

.
Alguém - Tu... disseste-me algo importante ontem, não foi?
Eu - Não.
Alguém - Foi sim! O que foi?
Eu - Não interessa.
Alguém - Conta-me!
Eu - Não.

Flashbacks de Conversas Passadas (nº6)

.
Eu - Só te disse isto porque, com o que tu bebeste, amanhã não te vais lembrar de nada.
Alguém - Vou! Vou sim, vais ver!
Eu - Não... não vais.
Alguém - Vou!

Enganou-se.

Alguém precisa de um guitarrista indie?

.
Já não há banda para ninguém. Dissolveu-se por incompatibilidade de gostos musicais.

Oh, well...

Rabiscos (nº3)

.
Feito agorinha mesmo
.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

don't go down

.
Porque é que, quando estou em baixo, afasto toda a gente que se poderia preocupar comigo?

Importam-se de parar de violar a minha infância, se faz favor?

.
. . .

Oh meu Deus, acho que aquele sou eu!

.
.
Alguém me ajude!

And there's dancing!

.
Já que é dia das mentiras, vou fazer de conta que sei dançar.



The beats yeah,
they were coming out the speakers and rewinding up,
straight in your sneakers
and I'm dancing like every song
who spends his bizzle like all my dance heroes would if they existed.

And it's sad that you think that we're all just scenesters
and even if we were, it's not the scene you're thinking,
to taking props from like these boy band fashions,
all crop tops and testosterone passion.
.
If there's one thing that I could never confess,
it's that I can't dance a single step...

It's you.
It's me.
And there's dancing!

Not sure if you mind if I dance with you
but I don't think right now you care about anything.
And oh if only there were clothes on the floor,
I'd feel for certain I was bedroom dancing.
.
And it's all flaming limbs at the front line.
Every single one of us is twisted by design
and dispatches from the back of my mind,
just as long as were here everything is alright.

If there's one thing that I could never confess,
it's that I can't dance a single step...

It's you.
It's me.
And there's dancing!

LSD para quê...

Por alguma razão a minha imaginação anda mais vívida ultimamente. Principalmente nas aulas mais aborrecidas.
.
Este semana já tive o Arnold Schwarzenegger a entrar heroicamente por uma janela, gritando qualquer coisa sobre uma bomba, e um furão a partir a cabeça de um professor careca como se fosse um ovo e comendo a gema que há no interior, enquanto ele continuava a falar como se não fosse nada.
Ah, e o Godzilla também destruiu a minha universidade hoje.
.
Se calhar é mesmo falta de sono. Ou isso ou não tarda só tenho coletes de força no guarda-fato.

Influenciável

.
Quantos mais convites para o Twitter e para o Facebook poderei eu receber até ceder à pressão de grupo?
.
Sinto-me como se fosse um puto a ver os seus colegas experimentarem fumar tabaco.
.
- Vá lá, não queres experimentar? É bué fixe.
- Não.
- Não sejas maricas. Não queres experimentar um bocado só de Facebook ou dar uma passa no Twitter?
- Toda a gente sabe que Twitter dá cancro.
- Não sejas totó. Vais ver que faz-te parecer mais fixe e tornas-te mais popular. Até as raparigas te vão achar mais giro.
- ... A sério?
- Yah, meu.
- En... Então está bem. Mas só um bocadinho.
- Assim é que é!

Sesguidores